31 de janeiro de 2015

Alzheimer...e o tempo levou minha história - Luiza Gosuen


paciente demente Alzheimer
Alzheimer... uma brisa que chega de leve, sutil e branda, como quem não quer incomodar e aos poucos vai invadindo os espaços, soprando cada vez mais forte até se tornar um tornado que de maneira devastadora arrasta e destrói tudo. E depois, apenas o nada. Retorna então a brisa e a calmaria... eterna.”  Luiza Gosuen
O que é a Doença de ALZHEIMER ?

É uma doença degenerativa, descrita por Alois Alzheimer em 1906, que evolui com a demência.
Critério de Diagnóstico da doença (1984) - Inicia com esquecimento. É irreversível e fatal. É uma doença crônica, degenerativa e incurável (até os dias atuais de 2015). Não é infecto-contagiosa e não transmissível. Atualmente temos nova versão, onde o diagnóstico não são apenas os sintomas conhecidos e instalados. Pode começar bem antes, se já tiver casos com histórico familiar, certamente a probabilidade é grande.
FASES DA DOENÇA DE ALZHEIMER

FASE INICIAL OU LEVE –  é uma fase Assintomática. Vários anos antes, até 20 anos antes, já pode estar instalada na cabeça da pessoa, um embrião que um dia será o Alzheimer. As moléculas de proteína BETA-AMILÓIDE, membrana gordurosa que envolve as células nervosas, vão se unindo até formar uma placa, um depósito fibrilar. Perde memória, dificuldade em encontrar as palavras, desorientação no tempo e no espaço, dificuldade para tomar decisão, perda da iniciativa e da motivação, sinais de depressão, agressividade, diminui interesse para atividades e passatempos.
Nessa fase o portador ainda percebe o que está acontecendo. Tem auto-estima e medo de mostrar que está doente.

FASE MODERADA OU INTERMEDIÁRIA - Dificuldade nas atividades diárias, maior prejuízo da memória, incapacidades de cuidar de si, da casa, de fazer uma compra ou de sair sozinho, alteração no comportamento com atitudes que nunca teve antes, dificuldades de comunicação, pode se perder, ter alucinações, perseguições, medos, ideias paranoides podendo desconfiar de quem é bem próximo.
Nessa fase ainda tem momentos de lucidez e arrependimento.


COMPORTAMENTOS CARACTERÍSTICOS DA DOENÇA DE ALZHEIMER NESSA FASE:

Síndrome do Pôr do Sol ou do Sol Poente - É um momento de agitação, sem causa aparente, que surge no final da tarde e início da noite com a diminuição da luz natural. Até agora não se sabe o que provoca esse sintoma podendo ocasionar confusão mental e desorientação espacial dentro de casa e até delírio. Uma forma de evitar ou aliviar esse sintoma é acender as luzes (abajour ou luzes não muito fortes), fechar as janelas e as cortinas para que o doente entenda que já é noite e possa se acalmar. Acredita-se que talvez seja esta hora em que aumenta o movimento na casa, com a chegada dos familiares ou das crianças da escola, ou maior movimento no condomínio e que pode assustar o doente. São hipóteses, nada ainda confirmado. Para isso é preciso criar alternativas que diminuam esse estado de agitação, podendo usar uma caixa com objetos para que possa se distrair como fotos, pequenos artesanatos, coisas que colecionava  ou que tinha como hobbie antes de adoecer.

Fase da desconfiança - O portador fala coisas que não é verdade, diz que está sendo enganado, que estão lhe roubando, que não conhece você, que não gosta de você e muitas outras coisas, mas isso é da doença. Não leve a sério e nem fique magoado.

Fase da perseguição ou fase da sombra - O doente fica atrás de você o tempo todo. Onde quer que você vá  ele está atrás, até mesmo no banheiro ele quer ficar junto. È preciso ter paciência, dá uma atividade para ele se entreter, só não fique irritado com ele.

Fase do desleixo - Aqui ele perde o senso crítico, coloca roupa pelo avesso, roupas que nada  combinam, sapatos trocados e até um pé de cada par. Se tiver que sair com ele, como levar ao médico ou fazer uma caminhada, deixo-o ir como ele quiser, caso não aceite que você o ajude.
Não discuta, nem brigue com ele. Deixe que vá assim mesmo. Ao sai de casa com o portador é bom que tenha uma identificação com ele, como uma pulseirinha ou uma correntinha com nome e telefone, caso ele se perca do cuidador.
Alucinação - Quando acontecer, entra no mundo dele e faz de conta que você resolveu a situação, por exemplo, se dizer que a cortina está pegando fogo, finja que acredita e simule apagar o fogo e pronto. Outras vezes, pode conversar sozinho, deixa falar e faz de conta que está vendo a pessoa que ele está conversando. Vai mudando de assunto, leva para outra atividade em outro local que passa.

Fase de esconder coisas - Começa escondendo as coisas até em locais inapropriados. Não dê bronca. Finja que não percebeu, depois vai lá e conserta ou coloca no lugar ou então usa de humor, entra na dele e diz que sumiu e dê risadas junto com ele.


FASE GRAVE OU AVANÇADA - prejuízo gravíssimo da memória, dificuldade para alimentação e deglutição, dificuldade de entender o que acontece, dificuldade de comunicação, dificuldade de orientação dentro de casa, incontinência urinária e fecal, dificuldade de locomoção podendo ficar acamado, já não apresenta pudor ou vergonha de expor o corpo e não tem discreção.
Nessa fase conforme a doença avança apresenta modificações drásticas. O doente pode falar coisas obscenas, xingamentos, agressões, manhas e até voltar a brincar com brinquedos de criança. Irá se esquecer de  parentes, dos filhos, não irá reconhecer nem a si própria em fotos antigas. Não terá condições de responder pelos seus atos. Não reconhecerá valor do dinheiro. Não saberá realizar tarefas diárias. Não saberá o risco de acidentes ou de objetos perigosos.

Esta fase é muito desgastante. O portador pergunta a mesma coisa diversas vezes. É preciso responder todas como se fosse a primeira, mas evite responder sempre da mesma maneira. Outras vezes, irá cantar a mesma música o dia todo e isso poderá irritar o cuidador, mas é preciso escutar e ter paciência. Quem sabe cantar junto e até sugerir outra música que ele não conheça e quem sabe pode parar de cantar.
Alguns portadores começam a contar os números e vai até 100, depois começam tudo de novo, em todos os casos é preciso não brigar e nem perder a paciência. Use da criatividade e faça alguma brincadeira nessa hora.
Começa também algumas manias como cuspir pelo chão, fazer bolinho com a comida e alguns desenvolvem o TOC (Transtorno Obsessivo Compulsivo)
É também a fase de comer demais, esquecer que já comeu e querer comer novamente ou não querer comer por achar que já comeu. Pode demorar muito para convencer o portador do que é preciso fazer. É uma hora desgastante e exigirá muita paciência e controle por parte do cuidador. Se o paciente perceber sua irritação ele se nega a comer e pode morrer de inanição. Use de criatividade, não fique insistindo, distraia-o com alguma coisa e depois volta a oferecer o alimento que ele deverá aceitar. Verifique se a comida está saborosa, na temperatura certa e se é algo que o portador gosta de comer. Isso também pode interferir na aceitação. Se não aceitar, faça alguma outra atividade com ele e ofereça outro alimento mais tarde

EXAMES INDICATIVOS E COMPLEMENTARES QUE PODEM AJUDAR NA AVALIÇÃO DA DOENÇA DE ALZHEIMER
EXAMES INDICATIVOS e não diagnósticos. Não fazem parte da Clínica Médica são para pesquisa e orientação na busca de uma avaliação, até o momento.
PAD SCAN – (Peripheral Arterial Disease)  e LCR - (Líquido Céfalo- Raquidiano). Nesses exames a PROTEÍNA BETA-AMILÓIDE deve estar baixa e a PROTEÍNA TAU e a TAU FOSFORILADA devem estar acima. A avaliação vale por 6 meses, pois os sintomas vem e vão e se a doença estiver instalando irá aumentar a frequência e a gravidade.
Na fase Sintomática vai ter a doença. Geneticamente aparece no cromossomo 21 e se repetirá a cada geração, são os autossômicos dominantes.
Fase pré-demência ou Prodrômica. Tem sintomas, mas não tem a demência ainda. Perde a memória episódica, não guarda informações e não evoca, não lembra. Não aprende mais. Pode até conversar na hora, mas depois esquece tudo. A tendência é voltar até a fase de criança e procurar pela mãe. Tudo vai perdendo e deteriorando as atividades que antes eram elaboradas pelo Lóbulo Pré-Frontal
No ponto Zero é quando já tem o sintoma com memória episódica e agora está sem saber fazer o que sempre fez. Gera irritação, inquietação por não conseguir realizar tarefas diárias e nem planejar nada. Vai esquecendo o nome das coisas. Essa é a forma típica da doença, que é progressiva e irreversível, o que chamamos AMNÉSIA ANTERÓGRADA OU RETRÓGRADA.

EXAMES COMPLEMENTARES QUE PODEM AJUDAR NA AVALIAÇÃO DO ALZHEIMER

A doença de Alzheimer ainda não pode ser diagnosticada por algum tipo de exame específico. Entretanto, exames de sangue devem ser feitos para avaliar as taxas e confirmar ou afastar o diagnóstico, pois nem toda perda de memória significa tratar-se de DA (Doença de Alzheimer).
Por exemplo, o exame de sangue da vitamina B-12, da Homocisteína, do Ácido Fólico e do Hemograma podem direcionar ou não ao diagnóstico de DA. Isso porque pode existir a doença com ou sem alteração desses exames de sangue.
Pode acontecer de no exame de sangue ter resultado anormal para a dosagem de B-12 e isso poderá ocorrer perda de memória e confusão mental, mas não se pode deduzir que a pessoa está com a doença só com esse exame.
TESTES DE MEMÓRIA CASUAL- São 3 desenhos distintos e 3 nomes. O Psicólogo pede para copiar os desenhos e os nomes. Propõe uma nova atividade e depois de 10 minutos pede para fazer novamente os desenhos e os nomes que acabou de fazer. Verificar se consegue ou se vai dizer que não se lembra de ter feito ou se irá tentar.

TESTE MONTREAL- A primeira parte são 3 desenhos bem fáceis. Mostra os desenhos e deixa que olhe por um tempo. Retira os desenhos e a pessoa deve fazer
Na segunda parte é um desenho fácil, porém com mais detalhe que é mostrado, deixar um tempo, depois retira a figura e a pessoa deve desenhar.
Na terceira parte mostrar outros 2 desenhos mais elaborados que devem ser fixados e deixar por um tempo, em seguida retirar e pedir para a pessoa fazer.
Pessoas com a predisposição para a doença já aos 60 anos não são capazes de fazer a segunda parte e nem a terceira.
Quando a dificuldade aparece já na primeira parte a pessoa já está doente.
Caso a pessoa tenha tido DEPRESSÃO, antes de ter esquecimento da memória episódica (lembranças de sua vida pessoal), pode até ter tratado a Depressão, mas o problema cognitivo estava lá e não foi diagnosticado. A doença também pode ter sintomas de memória episódica ou associada com a depressão ou ainda, com visão viso-espacial, que é a perda da referência de espaço e tempo.

FORMA TÍPICA DA DOENÇA DE ALZHEIMER

Começa depois de 65 anos com um pouco de lentidão na memória e vai declinando muito devagar. Se conduzida adequadamente é melhor.
A perda anual é de 1 a 3  pontos, mesmo com uso de medicamentos.

Fatores:
Proteína Apolipoproteína E - quando der fator  4,2 é melhor pois o fator 2 é protetor. Quando der 4,4 é mais grave (homozigótico).
Doença heterogênea - Você não percebe e pode ter a doença.
Falsos positivos - Têm os sintomas e não tem a doença.
Falsos negativos - Não têm os sintomas, mas têm a doença já instalada na cabeça.

Variante 1- Não lembrar nome dos objetos- Afeta a linguagem Progressiva Esquerda (Afásica). Começa com dificuldade em encontrar as palavras para nomear objetos que estão à sua frente. Geralmente, começa com objetos pouco utilizados. Não sabe o nome, mas sabe que conhece o objeto. Pode começar com grupos categóricos e se lembrar de outros grupos, porém com o tempo vai aumentando a dificuldade para vários grupos de objetos e não se lembra mais. Começa antes de 65 anos, algumas vezes até antes, já por volta dos 50 anos e a pessoa nem percebe, acha que é por conta de stress ou cansaço.

Variante 2 - Afasia Logopênica - O distúrbio é na repetição. Não consegue repetir nada. Apresenta dificuldade para dizer o que quer. Demência Fronto-Temporal.

Variante 3 - Distorções Visuais (dificuldades nas habilidades Visuo-Construtivas  e Visuo-Espaciais). Pode ter até um sintoma de cada. Tem consciência, tem crítica e justificativa mediante os problemas. Hemisfério Cerebral Direito.

SINDROME DE BENSON - Atrofia cerebral, região Occipital e Parietal. Quadro degenerativo, mas demora a progredir e tem até certa autonomia.

SINDROME DE ANTON – Dificuldades Visuo-Construtivas, Cegueira Cortical. A pessoa não enxerga, mas tem convicção que não é cega e sempre vai topar com paredes, móveis e esbarrar nas coisas pelo caminho.
SINDROME BÁLINT
1) Ataxia Óptica - Dificuldade de controlar os estímulos Viso-Manuais. Não percebe o todo, mas é capaz de perceber os detalhes
2) Simultanagnosia - Dificuldade de encontrar um objeto quando está entre outros objetos. Percebe um objeto de cada vez.
3) Apaxia Ocular - Dificuldade de desviar de um foco de atenção para outro foco de atenção, permanecendo com olhar fixo para frente.
Ás vezes, pode ter só 1 sintoma e outras vezes, pode ter os 3.

Variante 4- Característica é a Apatia – Vão parando as funções e vai progredindo com a falta de ânimo. Pode ser confundido com Depressão, mas é Apatia. Dificuldade com as palavras, depois com objetos e por fim com as pessoas. Perde o significado, perde a motivação e a memória. Fica sentada numa cadeira. Se deixar fica lá e morre por inanição. Não pede nada. Não é comum. É rara antes dos 65 anos. Hemisfério Frontal.
QUEM É O CUIDADOR DO PACIENTE DE ALZHEIMER?
Daqui para frente iremos falar muito da figura do “CUIDADOR”
O CUIDADOR será a pessoa mais presente na vida do portador de Alzheimer, direcionando-o em todas as suas etapas, para que possa passar pelas duras fases do Alzheimer, com melhor qualidade de vida. 
CUIDADOR é a pessoa que cuida com o zelo de uma mãe, que ouve com o respeito de um sacerdote, que ensina com a paciência de um professor e que conduz com a delicadeza de um anjo”. Luiza Gosuen

MANTENDO RESPEITO COM O PORTADOR DA DOENÇA DE ALZHEIMER

Tanto para o cuidador, como para toda família é importante respeitar tudo que for fundamental para o portador. Suas crenças e valores. Seus hábitos e seus gostos. Considere suas possibilidades, mesmo que poucas, mas enquanto ele conseguir fazer alguma atividade não lhe tire esse prazer. Não o deixe de pijamas esquecido num canto da casa. Dê atenção, peça participação, cuide dele, penteie seus cabelos, faça-lhe a barba, coloque suas músicas preferidas, converse com ele. Não fale das dificuldades e das perdas que estão acontecendo para outras pessoas, perto do portador. Respeite suas condições de debilitação.

Respeite também sua intimidade. Trate-o como um adulto. Na hora do banho coloque uma música relaxante para que não fique inibido e vá direcionando o que deve lavar. Apenas tome a frente, quando estiver na fase onde o paciente já não consegue se lavar sozinho. Use uma cadeira de banho se for preciso e oriente no uso do sabonete e do shampoo. Ajude-o a se secar e a se vestir. Não deixe mais ninguém junto do quarto ou do banheiro na hora do banho. E nunca ria dele ou zombe dele por nenhum motivo. Isso poderá magoar muito e ferir seus sentimentos. Mesmo quando for na fase terminal, sempre respeitar e  manter a dignidade para com o portador, inclusive na hora de colocar as fraldas, tirar sonda ou fazer a higiene íntima. Agir sempre com muita naturalidade e sem comentários desnecessários.

SAÚDE BUCAL DO PORTADOR DA DOENÇA DE ALZHEIMER

O profissional deve ter consentimento assinado pelo responsável do paciente para a realização dos procedimentos.
Fazer uma ficha de desenvolvimento clínico com tudo que usa no tratamento, inclusive constar horários em que o paciente apresenta melhora de humor para o tratamento. Deve-se ter um acompanhamento hospitalar, no consultório ou domiciliar para toda Equipe Multidisciplinar, tanto para o tratamento odontológico como para as demais áreas.
O atendimento em domicílio com a participação efetiva dos familiares ou cuidador é muito importante e tranquilisa o portador. O profissional deve capacitar os cuidadores e familiares para continuarem o tratamento com o paciente, para diminuir os custos com gastos futuros de outras infecções que possam surgir, diminuindo assim as idas aos médicos, principalmente devido a  Pneumonia.

Na doença de Alzheimer é muito importante a atenção com a saúde bucal porque é onde pode provocar outras doenças sistêmicas como hipertensão, diabetes, artrite reumatóide, problemas cardíacos e outros. As infecções provocadas por descuidos de higiene e pequenos ferimentos, podem levar a infecções que se espalham e provocam outros problemas.
A Pneumonia Aspiratória é quando o paciente com demência perde autonomia na deglutição e higienização, agrava devido as condições funcionais, podendo levar a Pneumonia, que aumenta o fator de risco e até de morte.
O paciente geralmente não coopera para o atendimento odontológico e à higienização.
A SABURRA LINGUAL - placa branca na língua, principalmente nas partes posteriores.
Os cuidados devem ser de responsabilidade do cuidador pela limpeza, para não acometer GENGIVITE CANDIDÍASE que é o sangue gengival. A higienização deve ser feita com uso correto de antisséptico bucal com Clorexidina a 0,12%, evitando a iatrogenia que é a alergia provocada pelo medicamento.
Para melhorar a diminuição do suco salivar que causa a boca seca (Xerostomia), devido ao uso de muitos medicamentos, oferecer muita água ao paciente e fazer a hidratação labial com bochechos de água e Gluconato de Clorexidina a 0,12%, Não use vaselina nos lábios.
O cuidador deverá usar, diariamente, para a correta higienização bucal, os facilitadores de ferramentas: o Spandex ( abridor de boca), escova apropriada , gaze e espátula.
Para a limpeza na parte interna da bochecha, língua e palato, não colocar a mão dentro da boca do paciente, mesmo que esteja com as luvas de látex descartáveis. Usa-se a gaze com uma espátula para a região posterior da boca.
A dieta deve ser mais pastosa em casos mais avançados da doença. As próteses não são recomendadas para esses pacientes, o que facilitará a higienização bucal. Próteses antigas podem causar iatrogenias (infecções) por serem mal adaptadas e os cuidadores não conseguem retirar para limpeza, o que leva a focos de bactérias causando as infecções.
A escovação deve ser com Pasta Profilática com Clorexidina 0,12% e raspagem lingual, onde o profissional deverá ensinar ao cuidador como proceder. Os movimentos para a escovação devem ser com a escova inclinada, fazendo movimentos rotatórios e de varrer. Trocar a escova quando desgastar, porém tem que ser uma escova que não sangre a gengiva. Se preferir usar a elétrica veja se o portador aceita bem.
Não se deve esquecer de usar o fio dental para limpar entre os dentes. Nesse caso, o cuidador tem que ficar atrás do paciente, apoia a cabeça dele e faz a limpeza. Use também o limpador de língua, pois a língua suja provoca falta de saliva e boca seca.
Se o doente não cooperar faça a escovação e a higienização no banho. Para finalizar use os enxaguatórios, mas verifique se o doente sabe fazer bochechos e jogar fora porque não pode engolir. Se não conseguir, não use.

Se tiver pontes fixas é mais difícil a escovação e se for ponte móvel tem que escovar os ganchinhos.
Deve-se retirar a dentadura para escovar, toda vez que o portador se alimentar. Existem escovas de pelos especiais para dentadura e dar atenção para a parte de dentro da dentadura, na hora da limpeza. Importante lembrar que detergentes para dentadura não substituem a escovação. Nunca deixa a dentadura cair no chão, pois pode provocar pequenas quebraduras que podem machuca a boca. Se cair, comunique ao dentista do portador.

Pode acontecer também de precisar fazer extrações, em casos onde não se tem mais como cuidar devido ao péssimo estado de conservação dos dentes ou quando o paciente não tolera o tratamento.
Na maioria das vezes, quando o atendimento é domiciliar, o profissional não terá a ergonomia correta pata o tratamento, mas é preciso dar preferência ao conforto do paciente. O acúmulo de tártaro também pode ser feito domiciliar, bem como restaurações dentárias.
Pode-se ter até intervenções cirúrgicas domiciliar para remoção de focos infecciosos com a participação do médico do paciente que autoriza e recomenda a cirurgia. São consultas mais demoradas e o profissional deverá estar com a agenda disponível nesses casos, pois poderá ter algum imprevisto

Outro procedimento que poderá ser usado é a ACUPUNTURA, para pacientes inquietos ou irritados, em casos onde mordidas causaram úlcera bucal. Esse procedimento relaxa o paciente para o tratamento.
Antigamente não se dava muita importância para a saúde bucal. Muitos idosos não foram ensinados quando jovens a cuidar dos dentes, e quando ficava cariado, simplesmente se extraia. Não é normal achar que estar velho é estar sem dentes.
O cuidador deve verificar também se, quando o paciente tomar um medicamento se realmente engoliu o comprimido, pois se ficar na boca pode machucar e dependendo da composição pode até queimar a mucosa da boca.
Doenças de lesões de mucosas nas bochechas ou gengivite causam retração na gengiva e é comum ter cárie na raiz do dente, por dentro no osso, e essas bactérias podem provocar demências.
Doença Periodontal - Inflamação crônica e indolor do tecido que envolve o dente, que  vai soltando, inflama e perde o dente. A  maioria dos idosos usam dentaduras e só podem ser trocadas na fase inicial da doença de Alzheimer.
Candidíase - começa na mucosa da boca passa para o estômago, intestino e chega ao ânus.
Xerostomia ou boca seca é causada pela falta de saliva que é uma secreção protetora, lubrificante, antibactericida, que ajuda a digestão.
A falta de saliva leva a doenças periodontal, estomatite protética, língua saburrosa e aumento de cáries. Deve-se oferecer ao doente, muita água, incentivar uma mastigação mais demorada e não oferecer comida muito pastosa para que ele possa exercitar a mastigação. Não ofereça chás, pois são ácidos e prejudica para quem não tem saliva. Use também protetor labial, pois a falta da saliva também resseca os lábios.
Existe saliva artificial que é um gel umidificante na forma de spray que alivia o sintoma. Use com indicação do dentista.


O IMPACTO PSICOLÓGICO QUE A DOENÇA DE ALZHEIMER CAUSA NA FAMÍLIA E COMO SUPERAR ESSE TRAUMA

Essa doença traz consequências para toda família. Já no diagnóstico a notícia pode chegar de maneira impactante se o médico não tiver "tato" para comunicar e explicar aos familiares. Algumas vezes é bom procurar uma segunda opinião, um  outro neurologista.
É preciso ter certeza do diagnóstico, que deve ser feito por exclusão de outras enfermidades. Se confirmado, a família deve reagir com sabedoria e prudência, pois será exigido muita paciência e amor para compreender os sintomas, compartilhar dos momentos críticos vivenciados pelo portador, decidir quem será aos cuidadores e dar-lhes total suporte, pois recebem o impacto de maneira brutal em suas vidas.

A família deve participar junta, cada um ter seu papel como membro da família que sofre com o aumento dos sintomas e por ver seu ente querido se "apagar" a cada dia, o que é muito doloroso.
Além dos problemas que são muitos a família ainda terá que conviver com o preconceito e ignorância sobre o assunto, entre as pessoas que convivem por perto como vizinhos, amigos fofoqueiros e até mesmo familiares que não reagirão compreensivamente, podendo ter reações de revolta e não aceitação.

A família também decidirá como e quando contar ao portador que está com a doença. Alguns acham melhor não contar, pois poderia acarretar uma enorme tristeza. Tudo irá depender do estágio que está a doença e como é a personalidade do portador. Vai chegar um momento que terá que iniciar o tratamento,  pois a doença quando instalada progride rapidamente.

É preciso estar atento para os sinais que o portador apresenta. Muitas vezes as coisas acontecem,  principalmente os esquecimentos, e o portador não fala nada para não preocupar a família. Com o tempo o portador se torna uma criança que está aprendendo a fazer tudo e fica repetindo, pois realmente não se lembra do que lhe foi ensinado. É preciso dar atenção, não repreender e não ignorar suas perguntas. Alguns membros da família, principalmente as crianças podem não entender e até se assustar com alguns comportamentos do portador.
Não pensar que o portador está fazendo birra, mal educação ou sendo agressivo. Tudo isso não é da pessoa e sim da doença.
A família tem que pesquisar e ler muito sobre o assunto, pois terão em casa uma  outra pessoa, que não conhecem e que terá atitudes que a família não reconhecerá. Trate com bom humor e se coloque no lugar do doente para entender o que ele está passando. Trate com dignidade, com amor e alegria.
A família deve permanecer unida, compartilhando tarefas, despesas, não havendo discussões e principalmente desconfiar que o portador da doença está  fazendo coisas de propósito, pois não é verdade. Em alguns casos, portadores podem até sofrer violência por conta dessa maneira de pensar dos membros da família ou ainda, por ficarem sufocando o portador com muita atenção o que também pode ser prejudicial. Tudo deve ter equilíbrio e conforme orientações dos profissionais que fazem o tratamento com o portador.

PRINCIPAIS DISTÚRBIOS PSICOLÓGICOS E DE COMPORTAMENTO NO PORTADOR DE ALZHEIMER

O cuidador deve ficar atento ao comportamento do portador. Anotar e estabelecer bases satisfatórias ou se pareceu alguma atitude diferente, se ele ficou confuso em determinado horário, local ou com outra pessoa.
É interessante criar condicionamento para hábitos que são mais difíceis, e compensar com outras coisas agradáveis como para a hora do banho. Por exemplo, antes do banho, levar para caminhar ou fazer uma atividade agradável ao portador que depois ele vem mais animado para o banho. Evite situações que possam causar medo na hora do banho usando cadeira de segurança e mantendo bom humor.

APATIA - Motivação diminuída, indiferença emocional, exige a presença do cuidador o tempo todo.

AGRESSIVIDADE - É menos freqüente ocorrer agressão por parte do portador, mas quando acontece causa impacto no cuidador. Pode ocorrer por mudança em situações ambientais, alguma frustração, dificuldade na comunicação, dor ou desconforto ou efeito colateral de medicamento.
AGRESSIVIDADE – Pode acontecer agressividade por parte do cuidador familiar por ser impaciente, agitado ou ansioso com a doença em família. São formas de defesa como reação a estímulo estressante. Como lidar?
O cuidador tem que reconhecer que não está conseguindo lidar com a situação. Procure ajuda e apoio na família para dividir as tarefas. Se não conseguir controlar as emoções, procure um cuidador profissional. Caso a família não possa arcar com os custos financeiros procure uma instituição idônea para internação.
Se a agressividade for do cuidador profissional, irá se percebe pelas atitudes de medo e insegurança do portador. Caso a família perceba atitudes diferentes no comportamento que não sejam as da doença, instale uma câmera para acompanhar as atividades do cuidador e do paciente. Denuncie, se for registrado maus tratos ou descuidos e contrate outro profissional.

ANSIEDADE – Pode ter diversas causas dentre elas: insônia, queixas somáticas, fatiga, desassossego, confusão mental, aumento de dependência, rigidez de pensamento e do comportamento e até automutilação pode existir, como beliscar-se, coçar sem parar e arrancar os cabelos. Pode-se notar também a ansiedade sem motivo na repetição das perguntas sendo que, diferencia a forma de perguntar quando for por esquecimento que irá pergunta novamente, mas sem ansiedade. Na ansiedade a repetição tem uma certa angústia que pode ser de querer muito algo que gosta ou ao contrário, não querer fazer ou de ir a algum lugar que não gosta.

AGITAÇÃO – Correlaciona-se com Psicose na Demência Moderada devido ao aumento de metabolismo. O uso de BANHO DE LUZ,  melhora muito quando feito por 5 dias. Aumente as luzes no ambiente na hora do por do sol. O tempo mais escuro pode intensificar a confusão mental e as desorientações pioram. Até mesmo em dias de muita chuva onde fica mais nublado. Não mantenha o portador imobilizado ou sentado, isso piora o sintoma. Melhor caminhar e evitar som e TV.

VAGÂNCIA – Identifique o agente causador da vagância (perambulação) pela noite. Pode ser um sonho que ele confunde com o real e não entende. Ás vezes pode andar a noite toda. Ofereça água porque ele vai cansar e sentirá sede. Veja se o calçado não está incomodando. Use um calçado bem macio e nunca chinelos pois ele poderá tropeçar.

DEPRESSÃO – Acontece já nos estágios iniciais. Perde interesses, se sente que é peso para os outros, crises de choro.

DESINIBIÇÃO E SEXUALIDADE – Senso crítico e julgamento comprometido e até  comentários inapropriados. Barulhos e sons podem disparar esse comportamento. Pode se dirigir a uma pessoa desconhecida com atos e palavras desapropriados ou atingir uma criança com modos bruscos.
Quando for sair com o portador, converse antes e diga-lhe que se não gostar do lugar onde for é só dizer que quer ir embora ou dê alguma coisa para que ele possa se entreter.

SUSPEITAS – Podem aparecer acusações, de roubo, de infidelidade ou comportamentos impróprios. Alguns comportamentos o portador já tinha e agora se agrava. Antes trancava as coisas, escondia coisas e desconfiava das pessoas. Agora isso agrava de modo compulsivo. Não leve para o lado pessoal e não se magoe, faz parte da doença.


PERSEGUIÇÕES – Segue o cuidador todo o tempo, com desconfiança, medo ou desorientação. Aproveite que ele está seguindo, coloque-o em uma atividade para ajudar ou participar com você.

AÇÕES REPETITIVAS- Faz a mesma pergunta diversas vezes. Responda repetindo a sua ação, até que ele reconheça o que você está respondendo e que já perguntou sobre aquele assunto.

DELÍRIO – com labilidade no humor, distúrbio da função intelectual com desorientação temporal e espacial. Julgamento pobre, sonolência e atividade psicomotora lenta, dificuldade para localizar até o vaso sanitário e não saber o que foi fazer lá. Pode ser uma das causas de INFECÇÃO URINÁRIA. Verifique se tem incontinência urinária.

PSICOSES – Ouve sons, barulho de vento, ilusões,  alucinações, vê formas e sombras, figuras abstratas e até olhar-se no espelho pode disparar esses sintomas.

Como controlar os sintomas? É a freqüência e o manejo na rotina que vão trazer o controle no comportamento e dar mais tranqüilidade e confiança por parte do portador em relação ao cuidador.


O IMPACTO QUE A DOENÇA DE ALZHEIMER CAUSA PARA O CUIDADOR FAMILIAR


- Num primeiro momento o cuidador familiar se assusta com o problema da hereditariedade, saber que ele também poderá ter o mesmo problema.
- Muitas vezes, precisa abandonar o emprego para cuidar do doente e reorganizar a situação financeira da família, pois os gastos são muitos.
- Pode acontecer de ter divórcio, principalmente se for a filha que irá cuidar do doente e o tempo para com o companheiro e para a família fica comprometido e alguns companheiros não entendem e aceitam a nova situação..
- Algumas vezes é preciso mudar de residência para acomodar melhor o doente ou para facilitar as idas nas consultas com os diversos profissionais.
- Isolamento familiar e social do cuidador e do portador - Não pode haver o isolamento nem do cuidador nem do portador. É preciso deixar que o doente participe das atividades da família, das festas e das reuniões . O Cuidador também deverá ter alguém para revezar e repartir as tarefas e ter tempo para fazer suas atividades sociais preferidas
- Institucionalização do idoso (colocar o idoso em uma instituição quando tiver uma sobrecarga e não for possível cuidar do idoso.

SENTIMENTOS QUE PODERÃO SURGIR NOS CUIDADORES DE ALZHEIMER

- A Depressão é a doença mais frequente nos cuidadores e deve procurar um psicólogo ou terapias alternativas, dentre elas o SHIATSU, YOGA, AROMATERAPIA e não achar que é só tristeza.
A sobrecarga de tarefas é grande. É preciso dividir as tarefas e revezar turnos com outro cuidador
- A Frustração também é comum, pois tudo que irá fazer pouco progresso terá no portador.
- A Agressividade e indiferença com o idoso, se acontecer, deve ser denunciada conforme estatuto do idoso e trocar de cuidador.
- A Culpa também aparece, mas lembre-se que ninguém tem culpa pela doença do portador.
Aumento da revolta pode acontecer, pois familiares não aceitam que uma pessoa que era tão ativa e participativa ficar agora nessa situação.
- A Solidão pode ocorrer. Alguns amigos irão "sumir", só os verdadeiros amigos irão apoiar e fazer companhia.
- O Isolamento pode acontecer porque você vai estar tão cansado que nem vai querer ver ninguém ou sair para passear
- A Vergonha de admitir que têm um caso de Alzheimer na família, acontece com alguns cuidadores que vão preferir se afastar dos amigos.
- O Desespero quando se instalar no cuidador, precisará ser trocado imediatamente, e não terá mais condições de continuar como cuidador

**É preciso cuidar de si mesmo, cuidar do corpo e da mente. Ter amigos, sair e na medida do possível manter suas atividades físicas e sociais com regularidade para aliviar a pressão e o stress causado pelo volume de atividades e responsabilidades como cuidador de um portador de Alzheimer.

Uma doença típica dos cuidadores é a SÍNDROME BURNOUT que se caracteriza pelo esgotamento, pois é uma tarefa muito pesada e cansativa e, para os cuidadores familiares ainda é pior pois acaba envolvendo toda família nesse processo. O cuidar se estende por 24 horas e isso afeta as emoções podendo levar ao Stress e a Depressão.


QUANDO PROCURAR UM CUIDADOR PROFISSIONAL PARA UM PORTADOR DE ALZHEIMER

No início da doença, logo quando souber do diagnóstico, se o idoso morar sozinho, em um apartamento poderá ter apoio de vizinhos ou do porteiro que é essencial para observar as atividades na área de lazer do prédio ou quando o idoso solicitar ajuda no apartamento.

Em Holambra-SP, existem condomínios especializados para idosos, só que os bairros são afastados, sem vizinhos e é importante o acompanhamento de familiares mesmo que seja no estágio inicial da doença e depois não poderá mais viver sem acompanhamento, o local deverá ser adaptado e de fácil acesso para os profissionais que irão trabalhar no atendimento ao idoso.
Nesses condomínios geralmente moram dois idosos em cada apartamento e mesmo que um deles não seja demente não poderá cuidar do outro. É preciso um cuidador especializado que siga as orientações dos médicos e profissionais. Quando existir conflitos em família é melhor contratar um cuidador profissional, principalmente se houver desavenças ou implicâncias com o idoso.
COMO CONTRATAR UM CUIDADOR PROFISSIONAL PARA UM PORTADOR DE ALZHEIMER
Ainda não temos essa função legalizada, apenas formalizada, sem sindicatos representativos e poucas associações de classe. È uma ocupação recente, pois antes era executada apenas pelos familiares. Atualmente essa ocupação foi favorecida devido ao aumento elevado da população de idosos. Também devido a entrada da mulher no mercado de trabalho e pela redução no número de filhos contribuíram para surgimento do cuidador profissional.

Classificação:
-INFORMAL - Sem remuneração, quando é efetuado por uma pessoa que exerce a função por afetividade ao doente ou a família.
-VOLUNTÁRIO- Sem remuneração, talvez possa receber uma ajuda de custos com transporte e comida. Recomendado por comunidades filantrópicas, igreja ou grupos voluntariados, ma é preciso comprovar se a pessoa conhece sobre a doença e se já teve experiência em cuidar..
-FORMAL- Profissionais registrados que recebem por 12 horas de trabalho na casa do doente, em dias específicos da semana. Se tiver uma formação em nível superior ou cursos especializados para cuidadores ou acompanhantes de idosos, será mais recomendado..
Quando o cuidador é um familiar ele deixa de ter preocupação com a própria saúde, vida profissional, atividades de lazer e aumenta o nível de stress. Muitas vezes enfrentando duas rotinas. Trabalha fora e quando chega cuida do doente e outras vezes, tem que deixar o trabalho para conseguir cuidar do doente.

O cuidador deve ser pessoa calma, muito paciente, que gosta de pessoas idosas, que tenha vínculo com esse tipo de trabalho, com idade que possa suportar o volume de trabalho e responsabilidade, não trabalhar em outro local, pois a carga horária é integral (a não ser que a família contrate apenas para meio período e outro cuidador ou familiar completará a carga horária). O período noturno deverá ter também um cuidador ou um familiar responsável que fique até a chegada do outro cuidador pela manhã. O cuidador é responsável pelo bem-estar, alimentação, higiene pessoal, e controle de medicamentos. Outros itens como: educação, cultura, recreação e lazer do paciente serão rotinas feitas e elaboradas pelos profissionais e que o cuidador colocará em prática junto ao idoso.

O cuidador deverá ser registrado por uma empresa especializada que seleciona e se responsabiliza por quem indica ou poderá ser contratado de maneira informal pelos familiares que arcam com as responsabilidades da seleção. O contrato é para 8 hs ou 12 hs de trabalho, com todos os direitos trabalhistas assegurados pela constituição:
- carteira de trabalho assinada
- salário mínimo (nunca menos) ou o que for estabelecido pelo empregador.
- 13º salário, férias de 30 dias.
- repouso semana de preferência no domingo
- licença gestante de 120 dias e estabilidade de até 5 meses após parto.
- aposentadoria
- aviso prévio de 30 dias
- auxílio doença pelo INSS
- seguro desemprego, se recolhido por tempo de serviço, por pelo menos 15 meses.
- vale transporte
- recolher o INSS junto com empregador
- fundo de garantia, opcional pelo empregador.
Se o contrato for feito pela família, em entrevista verificar a experiência, o que sabe sobre a doença, se já cuidou de alguém com a doença, se já fez estágio em alguma instituição. Observar se a fala apresenta algum traço preconceituoso, como se veste, como verbaliza, o tom de voz, se não é pessoa estabanada, se usa muitas maquiagem e muitas bijuterias, se usa sapatos de salto ou anda arrastando ou fazendo muito barulho, se é pessoa que sabe resolver problemas inesperados.

Caso resolva contratar, faça um teste por uns 3 dias, pague ANTECIPADO esses dias e verifique o compromisso da pessoa. Se  cumpriu o compromisso recebendo antecipado é um bom sinal de confiança e compromisso. Se receber e não voltar não é pessoa confiável é melhor perder o dinheiro e ficar mais atento na próxima entrevista. Só depois resolva contratar e registrar.
O local onde reside o cuidador também é um dado importante para não ter problemas com horários de chegada e conduções de fácil acesso. Não poderá faltar em nenhuma hipótese e caso aconteça deverá ter aviso prévio e alguém para substituir. O doente nunca poderá ficar sem assistência.

O salário pode variar conforme a formação acadêmica do cuidador ou se tem curso específico para Cuidador de Idoso. Caso tenha feito, apresentar o certificado e verificar as apostilas com o conteúdo abordado no curso. Atualmente, o salário mensal por 6 dias na semana e 1 folga, gira em torno de 1.000,00 para cada turno (manhã, tarde ou noite). È bom manter revezamento entre os cuidadores, um para cada turno. Se for para trabalhar no período noturno receberá como estabelecido para os turnos. Não tem adicional noturno.
A função registrada, até o momento, ainda é de Trabalhador Doméstico. Pode ser registrado como (5162) Acompanhante ou Cuidador de Idoso, conforme CBO- Classificação Brasileira de Ocupação

O cuidador não poderá cuidar do idoso em sua casa. Deverá prestar o serviço na casa do idoso.
Um parente do idoso poderá ser registrado em carteira como cuidador. Receberá tudo conforme a lei e deverá prestar todos os serviços estabelecidos pelos profissionais e cumprir o horário por lei.

Cuidador não é faxineiro – A função do cuidador em relação a limpeza é manter o quarto do idoso higienizado bem como lavar e passar suas roupas e fazer sua comidas, conforme orientação do nutricionista.
Outra função do cuidador é fazer relatórios diários de tudo que acontece com o idoso para informações precisas quando for nas consultas médicas, bem como ter Planos de Cuidado que são as rotinas estabelecidas para as atividades diárias com o idoso, que não pode ficar deitado, tem que ter atividades programadas. Caso o cuidador precise se ausentar por um breve instante como ir ao banheiro, mantenha o idoso tranqüilo ou dormindo em sua cama com a grade erguida e trava de segurança.
O cuidador não poderá fazer aplicações de medicamentos intravenosos, mesmo que saiba aplicar, a não ser que tenha formação de Enfermeiro ou Auxiliar de Enfermagem.

Existe ainda os CENTRO-DIA que são modalidades onde o idoso vai pela manhã e volta à tarde para casa. São muito bons e tem todos os profissionais que cuidam de tudo que o idoso precisa. Podendo contratar um cuidador apenas para a noite

Uma outra forma de contrato, onde os horários poderão ser afixados em turnos de 12 h por dia de trabalho, com revezamento com outro cuidador. Um pode vir por exemplo, das 7 da manhã às 19 h, nos dias 2ª,4ª e 6ª e o outro virá ás 3ª,5ª e sábados. É permitido 2 horas -extra por dia. No domingo os familiares revezam para cuidar. Veja com seu contador como firmar esse contrato.


Um site para sanar outras dúvidas:                                                     http://www.cuidardeidosos.com.br/guia-trabalhista-para-cuidador-de-id/

A  TERAPIA  OCUPACIONAL  INSERINDO  ATIVIDADES  DE ROTINA NA  VIDA  DO PORTADOR DE ALZHEIMER

É muito importante estabelecer uma rotina e inserir atividades para manutenção de habilidades que ainda estão preservadas como físicas (exercícios, caminhadas), sociais (reunião de convivência com familiares e amigos) e cognitivas (memória, atenção e concentração), que irão proporcionar uma melhor qualidade de vida para o portador reduzindo a dependência de algumas atividades em relação ao cuidador e minimizando os efeitos da doença e o portador poderá se sentir útil.

Como inserir as rotinas no tratamento?

É preciso avaliar as habilidades ainda preservadas, hábitos, interesses, história da pessoa.
Para isso, o profissional deverá propor variáveis para traçar um perfil das funções interagindo com familiares, amigos e cuidador que convivem com o doente e que irão dizer o que ele gosta e o que ainda pode ser usado como atividade de rotina.
As atividades que irão fazer parte desse perfil são as habilidades ainda preservadas no ambiente físico, cultural e social com relação ao portador.
Importante levar em conta também o ambiente sensorial (luz, temperatura, cores do ambiente).
Para uma melhora na cognição é preciso um local bem arejado, bem iluminado proporcionando o desenvolvimento motor, diminuindo o stress e aumentando a satisfação pessoal e o humor.
Na adequação cognitiva, o uso das cores no ambiente são usadas  como uma direção a ser seguida dentro da casa, bem como as luzes. A textura nas paredes, quadros, objetos e fotos podem dar uma noção de orientação espacial, trazer algumas lembranças e marcar algum local na casa, como por exemplo  ao lado da foto do filho está o banheiro ou a parede amarela indica que é da sala.

O uso de som em volume adequado com música que o portador gosta, também faz a orientação temporal ser ativada lembrando de situações que vivenciou em épocas diferentes. Pode-se fazer uso da MUSICOTERAPIA como mais uma atividade que irá inserir ritmos, uso de instrumentos para coordenação motora, ativar a memória e os sentimentos, exercitar o corpo, melhorar o humor e relaxar.
Atividades ao ar livre também são interessantes como jardinagem usando a coordenação das mãos e a criatividade, caminhada que estimulem a visão de coisas pelo caminho descrevendo e comentando o que vê com o doente, estimulando a fala com perguntas e respostas.

A AROMATERAPIA é também um recurso a ser utilizado, pois aromas trazem lembranças de diferentes épocas e os cheiros estimulam a área do cérebro que proporcionam prazer, além de algumas fragrâncias como a lavanda quando borrifadas no ambiente ou na roupa de cama promovem um efeito relaxantes. A tarefa de identificar os odores e selecionar no nosso arquivo de cheiros em nosso cérebro cabe ao sistema límbico. Dentre as funções desse sistema temos a amígdala e o hipotálamo que são responsáveis pelos aspectos emocionais, sendo que o córtex frontal faz a discriminação e percepção dos odores.

As atividades devem ser elaboradas para adultos de acordo com a idade do doente. Não se deve tratar o portador como criança, mesmo que ele algumas vezes se sinta assim.
Quando ainda em fase leve pode-se pedir para o portador fazer lista de compras ou ajudar a nomear o que falta na despensa. Ir junto ao supermercado e ajudar a escolher, ver se ainda consegue lembrar as marcas dos produtos que usava e se sabe para que serve.  A mesma atividade pode ser feita em relação à feira livre, deixando que selecione as verduras e frutas, que diga os nomes e até como se prepara a comida. Estimule a lembrança das hortaliças que usa como tempero, pergunte os nomes e como usá-las.
Na escolha das frutas, veja se sabe como escolher, a quantidade (aproveite para ver se ainda lembra os numerais e os preços) e selecionar em sacos separados de acordo com cada fruta.

Fazer resgate de coisas antigas como lembrar a profissão das pessoas, a cidade que morava, as festas que iam quando jovens, os namorados que tiveram, as escolas que estudaram, as viagens em família etc. Para isso, sugiro fazer uso de conversas, fotos, filmes e até encenações.
Algumas dessas atividades podem ser incluídas como parte da rotina entre o cuidador e o doente já outras, podem ser sugeridas como "novidade da semana ou um bônus" como premiação de alguma conquista feita pelo portador, que será um momento muito especial e aguardado tanto pelo portador quanto pelos familiares que farão uma interação junto ao portador num momento bem descontraído.
Essas atividades de bônus o cuidador deverá fazer junto com familiares e amigos, o que tornará mais agradável e estimulante para o doente e manterá sua participação social, pelo menos enquanto se sentir bem na companhia de outras pessoas.

Propor também a execução de atividades relacionadas a atividade profissional do portador, relembrando que fazia, usando termos profissionais, ler textos, escrever alguma ideia, descrever imagens, montar quebra-cabeça e fazer desenhos elaborados.

As atividades físicas também podem ser incluídas melhorando a coordenação motora e a estimulação dos sentidos, mas tudo com significado e orientação médica.


ARTETERAPIA – A ARTE INTERAGINDO COM O PORTADOR DO ALZHEIMER
O eixo fundamental é a criação para liberar a criatividade, os sentimentos e a sensibilidade.

Psicologia Analítica – Jung fala que a criatividade é essencial. Instinto fundamental para a existência humana. Em 1909 Jung usava constelação familiar. Inconsciente gira em torno da família.

Teoria Sistêmica – Sistema é quando tem elementos relacionados, que trocam informações para surgir a totalidade, que será mais do que a soma dos elementos com a complexidade maior de todos os elementos abrangentes. Convoca os elementos a um novo degrau de complexidade. Veja por exemplo, uma floresta é composta por vários elementos e quando se encontram formam o eco sistema com complexidade que não tinha quando os elementos eram sozinhos, e agora juntos terão o equilíbrio dinâmico. Num formigueiro, os insetos são sociais e a soma dos comportamentos forma a sociedade e dá a sustentação para que sobrevivam.
A sociedade humana é a família. São sistemas familiares e pessoas que precisam estar em uma sociedade para poder aprender e se desenvolver como pessoa.
Sistema da vida existe como um fluxo de energia, uma rede de relação onde passa constantemente esse fluxo, promovendo as transformações vitais. A vida não é uma questão de ter substâncias apenas para ser mantida, mas são as organizações e os fluxos dos relacionamentos que mantém a vida.
A criatividade não é algo individual, mas algo que trazemos das informações absorvidas e que com desenvolver do tempo, ganha complexidade.

Arteterapia atua com o processo criativo da vida, fluxos saudáveis do movimento vital, que passa por nós através da família. Não conseguiremos entender e não ouvimos os sussurros da vida em nosso coração, apenas manifestamos através da criatividade. Esses acontecimentos são produtos da alma, do espírito e das atitudes frente ao nosso desconhecido e se manifestam pela arte.
Arteterapia em grupo - ajuda na inclusão do indivíduo na sociedade, onde são chamados pelo nome quando estão em grupo, sua presença é percebida caso ele falte, e é sempre um momento de liberar as emoções contidas. Pode- se fazer dinâmicas entre eles, trabalhar qualidades e características individuais, através de colagem mostrando como se vê e como vê o outro. Usar a mesma técnica para lembrar nome de frutas, objetos e épocas, usando letras. A pintura também é uma técnica que gostam muito, podendo ser associada com a música para caracterizar a pintura que está sendo feita. A decoração também é uma técnica criativa. Usamos vasos plásticos coloridos, molduras para espelho, porta-retratos e para decorar pode-se usar objetos como pequenas conchas, miçangas, pedrinhas, bolinhas coloridas, etc.

A dramatização também é uma hora para se soltar, melhorar o humor podendo fazer representações de situações, de animais e até de imitação de outras pessoas. Aqui muita coisa é usada, desde orientação temporal, espacial, verbal e sonora.
A espiritualidade de nosso doente deve ser respeitada. Não devemos interferir ou desprezar, caso  não concordamos com o que ele acredita. O cuidador precisa participar com ele, de modo que possa exercer sua crença se ele manifestar esse desejo e manter ao alcance dele o que usar para esse ritual (altar, amuletos, bíblia, imagens ou símbolos).

EXISTE  PROCESSO DE REABILITAÇÃO NA DOENÇA DE ALZHEIMER?

Entenda-se por reabilitação, o processo de conseguir restabelecer as funções perdidas ou comprometidas. No Alzheimer não é bem assim, pois não iremos conseguir a recuperação do que foi perdido, ao contraio iremos nos deparar a cada dia com alguma função mais comprometida do que estava na última consulta. Iremos tentar através de técnicas variadas manter e prolongar o mais tempo possível as atividades motoras e fisiológicas, bem com as atividades físicas e sociais que o portador ainda tem.

A família é parte importante nesse processo e devemos, como profissionais da área da saúde, ser sinceros e claros quanto ao estado do portador e reconhecer nosso limite de atuação e não querer que algo milagroso aconteça, pois essa expectativa pode causar ansiedade no portador e frustrações nos familiares. O que piora consideravelmente o quadro do doente.
**Lembre-se sempre:  “Domine todas as técnicas, mas ao tocar uma alma humana, seja apenas uma alma humana.” Carl Jung

PLANEJAMENTO DAS ATIVIDADES DIÁRIAS PARA O TRATAMENTO DO ALZHEIMER

Importante lembrar que, o que parece fácil para você, para o doente pode não ser. Controle as distrações do ambiente, principalmente se tiver crianças na casa. As atividades são exclusivas para o portador, as crianças da casa deverão estar em outro local. Então, comece com calma e veja se não está estressando o doente, se ele está acompanhando as atividades propostas e sentindo prazer em fazê-las.
As atividades não devem ser demoradas e as tarefas propostas devem ser divididas em etapas. Se estiver funcionando continua, se perceber dificuldade na elaboração do que foi pedido, diminui o tempo ou refaça a atividade. Se perceber que o portador se interessa e pede sua ajuda na execução, pode ajudar e depois peça para que ele faça sozinho. Incentive sempre e elogie pelo resultado que conseguir.

Nunca diga que não é assim ou que não ficou bom. Não importa o resultado, o importante é a participação e se tem motivação. Pode ajudar e ver se ele consegue perceber onde errou, mas não diga que está errado. Faça com ele e se pedir faça para ele, verificando se ele acompanha o que você faz. Alguns comportamentos podem indicar que a doença está mudando de fase.
Incentive a pintura tanto com lápis de cor como com tinta, deixe que o portador exteriorize suas emoções. Exponha seus desenhos pela casa em locais que ele possa ver. Desenvolva jogos que exercitem a atenção, use dominós, letras e bolinhas para trabalhar quantidade.
Se gostar e tiver condições trabalhe receitas, estimule a leitura, escrita e manipulação dos ingredientes. Aproveite para trabalhar orientação espacial e lembrar onde guarda os utensílios de cozinha.

PSICOMOTRICIDADE também é usada quando se amassa, enrola e estende a massa.
Aproveite para fazer brincadeiras e use de bom humor.
Agressividade pode significar insegurança ou medo então, fale baixo, olhe nos olhos, faça um carinho na mão e de um sorriso.
Agitação pode ser vontade de ir ao banheiro, fome ou vontade de algo que é costume do portador.
Quando perceber dificuldade, tenha  paciência e use de gestos caso perceba que ele se agita. Se tiver ficando ansioso, por não conseguir ou que não quer mais fazer, encerre a atividade de maneira suave, falando baixo e mostre que ele foi muito bem. Elogie sempre, independente do resultado.

COMO FAZER A TABELA DE ROTINA PARA O TRATAMENTO DO ALZHEIMER


Na execução da tabela inserir colunas com dias da semana e linhas com horários e preencher os espaços com as atividades diárias.
Deixar espaços grandes para descrever as atividades de maneira completa e compreensível para todos os outros profissionais.
- Faça uma planilha dos medicamentos separada, só com os horários e quantidade de cada medicamento, pois caso alguém precise ficar no lugar do cuidador saberá como proceder. Importante ter uma planilha para cada atividade. As planilhas com informações separadas irão ajudar muito no retorno ao médico, pois são tantas informações, que o familiar ou o cuidador poderá esquecer  de mencionar algo ao médico que pode ser fundamental.
- Na planilha do banheiro, feita com orientação do Terapeuta Ocupacional ou da Enfermagem. Anotar tipo da urina, cor, cheiro e vezes que vai ao banheiro. Verificar também se o intestino está funcionando regularmente. Se tiver alguma independência com a higiene, verificar se não está sendo comprometida. Acompanhar o banho e o uso dos produtos.
- Na planilha da alimentação, feita com orientação do Nutricionista. Anotar o que pode comer e como preparar, porções e horários das refeições. Preparo de sucos nutricionais e se usa corretamente os talheres.

Deve ser preenchido com tudo que o portador consegue fazer, as atividades de todos os profissionais e horário livre para estar em família.
É preciso ter bom senso e não sobrecarregar o portador com atividades seguidas que desgastem  muita energia, o que pode prejudicar a atividade seguinte. Observe sempre o olhar e o comportamento do portador. Irá entender o que ele quer e se está gostando ou não.
Coloca-se uma atividade mais intensa e depois uma mais leve e até mesmo considerar os horários de descanso depois do uso de medicamentos que o deixa sonolento.
A rotina deve ter regularidade e sequência na estimulação. As atividades dos profissionais devem ter um elo entre si para que os resultados sejam melhores para o portador e não de acordo com a disponibilidade do profissional. As atividades devem ser casadas e interessantes.

O COMPROMETIMENTO DA LINGUAGEM E DA FALA NO ALZHEIMER

É na fase mais grave da doença que surgem os maiores problemas na comunicação oral.
Terapia Fonoaudiológica estimula fala, memória, atenção, orientação temporal e espacial, melhorando a qualidade de vida do portador.
O estímulo da fala pode ser feito também pelos cuidadores através do uso e nomeação dos objetos, toques, imagens e sons.
Descrição da função relacionada com atividades diárias realizadas pelo paciente.

Repetição - após nomear o objeto solicitar repetição e ver qual objeto vai escolher. Não deixe que aponte espere que use da fala. Usar sempre 2 objetos para a escolha, pois 1 objeto apenas induz a dizer apenas sim ou não, e precisamos que estimule a linguagem e a escolha.
Na hora do banho todo objeto é estímulo visual, variar os objetos com vasilhames diferentes em cores e tamanhos para não enjoar e sempre perguntar qual vai usar agora e tem que dizer o nome.
Quando apresentar objetos novos veja a reação, pergunte qual gostou e dê um tempo para a resposta. Se notar que apresenta dificuldade para nomear, pode ajudar dando o início da palavra e deixa que complete. Se não conseguir diga o nome e peça para repetir. Faça o mesmo com a toalha, mostre opções de escolha e deixe que escolha qual vai querer, mas sempre usando a fala e não apontando. Pergunte qual é a cor da toalha, se é grande ou pequena, se tem desenhos ou listras, se é macia ou áspera. Quando for enxugar nomear as partes do corpo que está enxugando.
No espelho, estimule a memória visual, auditiva, cognitiva e tátil perguntando quem está refletido, qual o nome, o que gosta e deixando que tente pentear seu próprio cabelo. Ajude se precisar. Aqui também poderá dar escolha de qual pente vai querer, fino, grosso, pequeno, grande, colorido, de plástico ou madeira.Use sempre a criatividade e mantenha um diálogo agradável.
Preparar também um momento de descontração, depois do banho que está relaxado para ver fotos antigas, lembrar as épocas, quem eram as pessoas, onde foi aquela festa e o que comemorava, falar das roupas, quem que fez, do local da foto, grau de parentesco, se foi uma viagem , se era aniversário, casamento , formatura etc...normalmente o portador vai gostar e participar da conversa e até lembrar fatos que já estavam esquecidos.
Se tiver dificuldade em reconhecer as pessoas e até ela mesma, tente estimular a memória. Conte algum fato relacionado que poderá se lembrar, trabalhando a memória temporal.

Trabalhar a MEMÓRIA DE LONGO PRAZO - perguntar como era na época da juventude dele, onde trabalhava, onde morou, qual a cidade, como era os vizinhos, como era os namoros. Coloque música para o portador ouvir e use de linguagem automatizada como gírias da época que também podem ativar as lembranças e até lembrar letras de músicas. Estimule a musicalidade se e pessoa conseguir cantarolar ou tocar algum instrumento. Diminua o volume da música para que ele cante sozinho, se quiser pode cantar junto e quem sabe até com outros familiares. Será um momento agradável para o portador e de satisfação para os familiares.

FIGURA FUNDO - quando a doença não estiver avançada pode-se usar de figuras para nomear objetos. Coloque palavras também para fazer associação com a figura. Faça uma frase simples com uma palavra faltando para que complete. Peça para escrever, se não conseguir peça para falar. Não demonstre que ele não conseguiu, estimule sempre a participação e volte depois no ponto que ele tinha esquecido e veja agora se é capaz de se lembrar. Use temas para as mulheres de acordo com o que fazia e gostava, como jóias, moda, sapatos, comidas, doces, decoração, utensílios de casa, jardins, artesanatos, artistas, novelas, filmes e músicas. Pode procurar figuras e palavras em revistas que é coisa que as mulheres gostam de folhear.
Para os homens, faça o mesmo de acordo com o que gosta, acrescente fotos de carros, jogadores de futebol, campeonatos, corridas, mulheres, artigos esportivos, ferramentas, artigos de pesca, barcos, coleções e miniaturas, games, filmes, livros, gibis, desenhos ou bonecos de super heróis, instrumentos musicais e eletrônicos. Não use computador nem TV para pesquisa das figuras, melhor usar jornais, livros e revistas.
Escreva o nome abaixo da figura e mantenha sempre perto da visão para estimulação cognitiva da fala e da escrita.  Altere as figuras a cada dia para ver se ele percebeu a mudança.

Trabalhe sempre com a presença de um calendário em tamanho grande na parede para que acompanhe com o portador o dia de hoje, o mês, se tem alguma data especial assinalado, se é um dia especial para ele ou se lembra de alguma coisa naquele dia.
O mesmo vale para um relógio na parece, para que junto com o portador comente a hora de cada atividade e pergunte a ele quanto tempo falta para a próxima atividade

Quando estiver em reunião com familiares para alguma comemoração em família, controlar um número pequeno de pessoas, não falar muito alto, não ter música alta, não manter conversas paralelas perto do portador, pois isso o confunde e o desnorteia. Se alguém for falar alguma coisa, que seja um discurso simples e breve e mantenha a atenção do portador olhando direto para ele, falando de maneira bem articulada e pausada. Sua interação quando possível é importante.
Nunca deixe-o  num canto sozinho, mas faça com que participe ou que alguém esteja sempre perto dele. Caso perceba que ele não está gostando, respeite seu humor e pergunte se quer ir para seu quarto ou se quer dormir.
Nunca diga frases como: “Você estraga a festa” ou “Você está repetindo o que já disse agora a pouco” ou “Eu já respondi isso para você” ou “Você não gosta de nada”.
Lembre-se que ele é doente e não é mais como era antes.Tente fazer com que ele se sinta bem o maior tempo possível.


A DISFUNÇÃO NA DEGLUTIÇÃO NA DOENÇA DE ALZHEIMER
 A disfunção na alimentação pode ocorrer antes da  DISFASIA (incapacidade de ordenar palavras).
A DEGLUTIÇÃO é o processo correto de mastigação dos alimentos. Comando neurológico para que o alimento vá de maneira segura até o estômago. É preciso parar de respirar para engolir. Fechar a via aérea para o alimento passar, sem ir para o pulmão.
A DISFASIA é quando o processo ocorre de forma errada, não correta e insegura. A origem pode ser motora ou ter origem nos comandos cerebrais. No Alzheimer é preciso alterar esse quadro para não provocar PNEUMONIA, ou seja, usa-se as sondas para garantir um processo seguro, pois se os alimentos forem para o pulmão causa Pneumonia.

Ás vezes, acontece do portador esquecer o alimento na boca e não engolir. E ficar por um tempo maior com o alimento na boca e depois engolir de maneira errada, o que pode causar problemas. O cuidador precisa estar atento na hora da refeição.
A tosse enquanto come também é um sinal de alerta, pois pode estar engasgado. Importante também verificar se tosse depois que se alimenta, pois pode ter pigarro ou refluxo nasal, na tentativa de eliminar alguma partícula de alimento que possa estar no nariz.

ENGASGO é a forma de defesa do organismo. Observar quando e porque acontece o engasgo.
Quando o portador recusar a comer alegando que está ruim, pode ser que não esteja identificando o cheiro nem o sabor do alimento. Verificar se está perdendo essas sensações. Faça comprovação com outros alimentos e se não for é porque realmente não gosta do alimento ou da preparação que foi feita (às vezes se trocar de tempero ele pode estranhar).

Quando engasgar não se deve oferecer água que poderá ser prejudicial e até piorar o sintoma.
Se estiver numa fase agressiva poderá até empurrar a comida, jogar no chão ou até cuspir. Porém, se for dificuldade de deglutição são as primeiras evidências que surgem antes da  Disfasia ou seja, o movimento motor pode estar preservado, mas já tem problemas para engolir.
Conforme a doença progride o portador fica mais agitado à mesa e se distraí com tudo. Essa inquietação queima muita caloria, gasta muito tempo e precisa de muita paciência do cuidador. Quando termina a refeição acaba ingerindo pouca caloria, porque enrola e não come nada. É quando começa a perder peso.
DICAS PARA AJUDAR NA ALIMENTAÇÃO DO PORTADOR DE ALZHEIMER

Quando o portador não estiver cooperando oferecer comando com voz calma e firme. Informar o que está oferecendo, localizá-lo no tempo, verificar se está alerta e não sonolento com o efeito de algum medicamento. Elimine qualquer fator que ofereça distração, posicione a mesa em uma altura que seja confortável para ele. Ofereça pequenas quantidades para não engasgar, direciona passo a passo o que ele deve fazer e faça reforço verbal, elogiando quando ele consegue fazer a tarefa.
Reforce também para que mastigue, engula e respire.

Faça uso do reforço visual, mostre os utensílios que estão à mesa para que ele use. Toque em seu queijo, na boca, no braço para manter um contato de proximidade e confiança.
Confirme se engoliu antes de oferecer mais alimento. Se ainda não tiver engolido, coloque a colher vazia na boca para estimular que ele continue com a mastigação. Caso engasgue, peça para tossir com força para sair o alimento.

Evite oferecer alimentos fibrosos ou com consistências diferentes que seja difícil para engolir.
Evite que o paciente se deite depois da refeição. Faça a higienização bucal e dê alguma atividade para que fique pelo menos 30 minutos sem se deitar para que não tenha refluxo, podendo engasgar ou até mesmo ter uma parada respiratória.

Na FASE INTERMEDIÁRIA da doença é uma fase difícil que irá exigir muito tato do cuidador, pois o portador senta-se à mesa, mas não pega os talheres, não se interessa e até pode se negar a abrir a boca para receber o alimento. A consistência alimentar já é mais dificultosa. O portador quando consegue por na boca, tira o alimento por não conseguir mastigar, mesmo quando a consistência for pastosa.

É difícil também manter o bolo alimentar dentro da boca. Fica babando ou pode até correr o risco do alimento ir para o pulmão por aspiração do alimento e levar a óbito por causar insuficiência respiratória.
A família pode optar por fazer uso de SONDAS NASOENTÉRICAS para alimentação via artificial, nasogástrica.
O método utilizado é pouco invasivo, mas exige que seja feito por profissional para introduzir corretamente as sondas e realizar a administração da dieta. Conhecer os possíveis riscos e complicações com o médico e saber como solucionar.

Na FASE TERMINAL essa técnica não é benéfica e não evita Pneumonia Aspiratória
A deglutição precisa ser mantida na fase Inicial, pois na fase terminal não consegue mais atingir esse processo.
Outra forma usada é a GASTROSTOMIA ENDOSCÓPICA PERCUTÂNEA onde o tubo é inserido diretamente no estômago. A sobrevida pode ser de até 2 anos e não terá Pneumonia Aspiratória.


OS PROBLEMAS FÍSICOS E FUNCIONAIS PARA OS CUIDADORES E PORTADORES DA DOENÇA DE ALZHEIMER

Os cuidadores são acometidos de problemas emocionais causados pelo isolamento, depressão, apatia e problemas físicos devido a diminuição das atividades físicas, preferindo mesmo nos momentos de descanso ficar mais em casa, deitada ou aproveitar para dormir o que leva a uma perda na flexibilidade e agilidade. Também apresentam problemas de dores na coluna devido ao ritmo estressante de trabalho com o doente. 
Já os portadores seu comprometimento motor vai diminuindo as atividades físicas e ficando mais comprometida. A MICROSCOPIA é a deposição de placas de proteínas Beta-Amilóide entre os neurônios que impedem de fazer a sinapse, que é a troca de informação entre os neurônios para o bom funcionamento do organismo. A prática de atividade física diminui as placas entre os neurônios podendo diminuir até a depressão e diminui também em até 50% os sintomas de Alzheimer, melhorando a qualidade de vida do doente e até dos familiares e cuidadores.

EXERCÍCIOS FÍSICOS PARA FASE LEVE DOS PORTADORES DE ALZHEIMER:

1- Flexão de joelho – Use uma cadeira. Peça para sentar colocando a mão no joelho, senta e encosta na cadeira. Para levantar, desencosta usa a força dos braços apoiados na lateral da cadeira para dar impulso para se levantar, coloque as mãos nos joelhos e força para se levantar.
2- Fortalecer a coluna - O mesmo movimento de sentar, só que não colocar as mãos nos joelhos. Estender as mãos à frente do corpo, para ter força na coluna. Impulsiona o quadril para trás, senta e encosta na cadeira.
3 - Alongar o tórax e o pescoço – Sentado, alonga o tórax com os braços estendidos para cima e abaixa até colocar o peito no joelho, relaxa o pescoço, alonga o pescoço deixando os braços soltos para baixo. Para levantar, colocar as mãos no joelho e levantar o tórax bem devagar.
4- Alongamento das pernas - Sentado, estender uma perna, colocar o tórax no joelho, pegar o pé. Faça o mesmo com a outra perna.
5- Fortalecer os braços - Sentado, colocar o bumbum na beirada do assento, colocar os braços apoiados atrás do corpo e segurar no assento da cadeira. Deslizar o bumbum da cadeira em direção ao chão, só um pouquinho, manter as pernas firmes no chão, fazer uma pequena flexão com os braços, para baixo e para cima. Voltar á posição de sentado.
6- Fortalecer o abdomen - Deitado na cama, flexionar as pernas, colocar os braços estendidos ao lado do corpo  e tentar levantar as costas da cama.
FISIOTERAPIA GERONTOLÓGICA PARA O PORTADOR DE ALZHEIMER

Denominação - Idoso jovem 60 - 74 anos; Idoso adulto 75 - 85 anos; Idoso velho acima de 85 anos.
Estimativa populacional para envelhecimento - Até 2050 o Brasil terá 60 milhões de idosos.
Com essa estimativa temos que pensar que vamos precisar de gente especializada para tratar com os idosos.

A forma de envelhecer - A velhice é um processo complexo que depende da história de vida da pessoa, de cada etapa, de como foi a vida fetal, como foi a infância, se teve doenças, obesidades ou carência alimentar. Na adolescência se fez uso de drogas, álcool, dietas variadas, vida sedentária ou estilo de vida não saudável. Na vida adulta se teve fatores de risco para doenças, quedas, problemas emocionais graves, casamento conturbado, acidentes ou tragédias.
A Velhice vai se formando com as escolhas que se faz na vida. Atualmente, muitos homens estão correndo mais riscos no trabalho, não cuidam da saúde, não vão a médicos, comem demais, fumam e bebem  exagerado e de maneira errada, dormem pouco e com isso envelhecem mais cedo.
As mulheres estão ocupando cargos no mercado de trabalho e são exigidas cada dia mais. Para manter o corpo fazem dietas malucas e cultuam muito o corpo com muitas cirurgias plásticas. Também estão bebendo e fumando mais, com estilo de vida estressante e deixando de cuidar dos filhos que passam a ficar mais nas escolas ou com outras pessoas. Com isso aumenta muito o número de doenças crônicas.

OS DESAFIOS DA GERONTOLOGIA

- Longevidade saudável (melhorar o estilo de vida).
- Compressão das morbidades (Prorrogar o aparecimento das doenças e aumentar a expectativa de vida com qualidade).
- Idosos incapacitantes (exercitar mais o corpo e a mente).
- Mudança na funcionalidade (enfrentar o que a doença gera no paradigma da funcionalidade do idoso).

GERONTOLOGIA - É o processo de envelhecimento em todos os aspectos (fisiológico, biológico, psíquico e social).
GERIATRIA - Trata das doenças do idoso.
SENESCÊNCIA OU SENECTUDE - Somatório das alterações orgânicas que acontecem lentamente, por volta dos 50 a 60 anos.
SENILIDADE OU DEMÊNCIA- Doenças que se desenvolvem no idoso  e que limita suas capacidades.
Fisioterapia Geriátrica - Preocupa em prevenir a doença
Fisioterapia Gerontológica - Aborda o idoso como um todo para descobrir onde surgiu a doença.

Premissa 1 - Abordagem integrada e humanizada abordando particularidades como OSTEOPENIA  que são perdas leves de massa óssea e OSTEOPOROSE são perdas maiores de massa óssea.
Premissa 2 - Avaliação minuciosa, abrangente, fisio-gerontológica (quadro geral e funcional do idoso).
Premissa 3 - História de vida do idoso, suas vontades, objetivos, sonhos, desejos e conquistas.
Premissa 4 - Valorização do potencial do idoso. Não subestimar suas capacidades
Premissa 5 - Escuta terapêutica interessada em manter vínculo com o paciente e não apenas ouvir suas queixas, mas procurando entender e saber mais informações para melhor atendimento de forma global.
Premissa 6 - Objetivos do fisioterapeuta devem estar aliados aos objetivos do paciente, para conseguir resultado positivo não só em aspectos físicos, mas também estimulando aspectos psicossociais.
Premissa 7 - O fisioterapeuta deve facilitar na construção de projeto de vida onde a meta é melhorar as funções físicas do paciente para que a idade cronológica seja diferente da idade mental.
Premissa 8 - O fisioterapeuta como papel de Educador, onde irá apontar, ensinar, orientar. Sempre com um olhar muito atento.
CAPACIDADE FUNCIONAL NA GERONTOLOGIA DO IDOSO COM ALZHEIMER
Considera-se 3 itens básicos para capacidade funcional:
AUTONOMIA – capacidade para tomar decisões.
INDEPENDÊNCIA FUNCIONAL – Capacidade para realizar tarefas sem ajuda.
DEPENDÊNCIA FUNCIONAL – Quando precisa de ajuda total ou parcial.

* Escala Katz (1963)- Avalia atividades de vida diária
* CF- Capacidade Funcional - relaciona-se com a evolução clínica do paciente. Vai reduzindo a mobilidade e também a massa e força muscular e aumenta os riscos de queda. A fisioterapia ameniza esses riscos com atividades motoras.
Mede o desempenho em 6 itens; Banho, vestir, sanitário, alimentação, continência, transferência.

* MIF – Mede Independência Funcional e avalia se tem interferências funcionais.
* AIVD – Mede Atividades Instrumentais da Vida Diária como uso do telefone, uso de meios de transportes, fazer compras, fazer refeições, fazer faxina, lavar roupa, tomar medicamentos, manejo financeiro.

* TESTES DE TINETTI – Avalia marcha e equilíbrio
* ESCALA BERG – Avalia marcha e equilíbrio com movimentos giratórios e de levantar e abaixar.

ELETROTERMOTERAPIA- Pode ser usada se o paciente não estiver com a sensibilidade alterada. Na fase inicial e início da fase moderada .
São compressas quentes e geladas, para fortalecimento muscular. Importante também fazer exercícios para melhorar o Trofismo (perda muscular). Aconselha-se medir a pressão arterial.

- Exercitar musculatura inferior- subir e descer escadas.
- Exercitar joelhos e quadris – sentar e levantar. Pode ter ajuda do cuidador segurando nos braços da cadeira.
- Exercício para membros superiores utilizando bola
- Exercício respiratório - para prevenir asma e pneumonia. Encher balão, assoprar, espirrar, tossir.
- Exercício para treino de marcha - Diversificando tipos diferentes de pisos, com alturas diferentes e com obstáculos. Passos  curtos e longos, lentos e rápidos.
- Exercícios para prevenir quedas - Para não ter medo de caminhar, mesmo na companhia de alguém fazer atividades ao ar livre. Quando manifestar o desejo de não sair de casa e receio de cair pode ser medo de ser institucionalizado. Comece com atividades ao ar livre no jardim ou quintal e alterne com pequenas caminhadas no quarteirão, depois numa praça e retorne caso perceba que o paciente está inseguro, mas evite ficar apenas dentro de casa. Leve-o até a sacada, deixe-o ver o movimento ou até uma janela, para que sinta o ar fresco e veja a vida do lado de fora da casa.

As quedas irão aumentar conforme aumenta a demência.
As causas intrínsecas estão relacionadas aos aspectos fisiológicos e patológicos do envelhecimento, como a perda da audição, doença de Parkinson, doença nos joelhos e quadris.
As causas extrínsecas estão relacionadas de acordo com ambiente, ou seja, pisos irregulares, pouca iluminação, calçado instável (chinelo não é bom), tapetes, escadas de degraus irregulares ou sem corrimão, móveis antigos e instáveis que podem quebrar. A cama e  o vaso sanitário com altura baixa, são inadequados. É preciso ajustar e ter barras de segurança no banheiro.
As causas comportamentais estão relacionadas a incompreensão do idoso, quando ele acha que pode ainda realizar as mesmas atividades que fazia anteriormente, como subir em uma escada ou cadeira para trocar uma lâmpada. Lavar banheiro com água e sabão no chão. Fazer comida com todos os perigos dos utensílios e do fogão.

Acessórios de auxílio da marcha podem oferecer dificuldade para adaptar-se com os equipamentos, principalmente quando o paciente já sofre com a DEAMBULAÇÃO ou seja, o paciente já perdeu a memória dos caminhos rotineiros que costumava fazer e acha que ainda precisa fazer e então, caminha sem destino. Tudo isso aliado ao declínio da capacidade de comunicação que não consegue explicar o motivo pelo qual precisa caminhar. Nesse momento e sair de casa sozinho, se perde e não sabe voltar  e nem pedir ajuda.

Dispositivos para a marcha – melhor começar com o equipamento que for mais fácil para ele e com o aumento da doença vai trocando (bengalas com apoio para a mão com ponta de borracha , bengala com maior amplitude de apoio com 3 ou 4 pontas de borracha, muletas com apoio no braço, muleta com apoio para o ombro, andadores).

Adaptação do ambiente doméstico e a escolha dos móveis devem promover segurança e não oferecer risco de quedas para que o idoso queira compartilhar dos momentos em família, pois se na sala tiver apenas um sofá que é desconfortável e dificultoso para que ele se levante, ele não irá querer ficar na sala junto com todos.
Faça mudanças nos móveis, mas não muito significativas para não mudar as lembranças boas que ele ainda possa ter, principalmente se tiver um móvel que ele gostava muito ou se tem uma história interessante que marcou a vida dele então, melhor manter esse móvel no local.

Caso o idoso nunca tenha gostado de fazer exercícios físicos, não vai ser agora que irá gostar.
É preciso ponderar com o paciente e o profissional. O terapeuta terá que adaptar exercícios e fazer junto para incentivá-lo a fazer. Caso tenha dificuldade auditiva, além de falar de forma clara, pausada de frente para o paciente, atentar para que no ambiente não tenha outros estímulos que desviem a atenção do paciente. Procurar fazer atividades que vão de encontro com o gosto do paciente, podendo até incluir o animal de estimação, mas nunca fazer atividades que sejam infantilizadas.
CUIDADOS E ATENÇÃO PARA COM O PORTADOR DE ALZHEIMER
NA FASE INICIAL E INTERMEDIÁRIA


- Observar os suportes de segurança principalmente no banheiro com barras para segurar, no chuveiro e no vaso sanitário e tapete antiaderente.
- Se o quarto do idoso for no andar superior da casa, transferir para um local no térreo e colocar portinha com grade e trava de segurança para não ter acesso às escadas.
- Retirar tapetes ,objetos e fios que possam estar pelo caminho e provocar acidentes nos períodos de desorientação espacial.
- Ter atenção dobrada na cozinha para que não se machuque com algum objeto cortante ou algum outro aparelho.
- Cuidado com os medicamentos que devem estar em local seguro e com manipulação apenas do cuidador ou profissional autorizado.
- Sempre acompanhá-lo em todo local dentro da casa, principalmente a partir da fase intermediária
- Saber ouvir, olhar cuidadoso e ter paciência mesmo que ele demore para se expressar.
- Ser educado com ele, saber esperar os resultados. Incentive-o que ele consegue.
- Ter determinação e não desistir
ASPECTOS FISIOTERAPEUTAS NO CUIDADO DE LOCOMOÇÃO COM IDOSO ACAMADO

POSIÇÃO DEITADO
- Colocar na cama - De lado pode ser que não fique confortável. Vai depender se usa sonda, se tem alguma dificuldade respiratória, refluxo ou se está muito magro.
- Deitar de lado com encosto nas costas - Dá firmeza e protege as costas. Com as pernas encolhidas pode ser mais confortável. A perna de cima deve estar atrás da perna de baixo para não ter torção na coluna. A cama deve ter grades com travas de segurança.
POSIÇÃO SENTADO
- Posicionamento semi-sentado – Numa poltrona de assento mais firme e com um encosto para as costas. Pode ser confortável para sair um pouco da cama.
- Posicionamento sentado - Deve ser numa cadeira de madeira firme ou poltrona não muito macia e nem muito baixa para que tenha firmeza ao levantar e nem alta para que os pés fiquem apoiados no chão.
TRANSFERÊNCIA POSTURAL
Avalie o ambiente para não ter tapetes ou objetos que possam atrapalhar.
- Para fazer a transferência da cama para a cadeira de rodas - Tem que saber o que o paciente já teve (alguma cirurgia, se  usa sonda ou se está com algum curativo).  Posicione o paciente sentado na cama e fique em frente a ele, abrace-o e peça para que se apoie e abrace o cuidador. Segure-o sentado em seus braços e coloque-o sentado na cadeira.
Quando for transferir para cadeira de rodas, certifique-se que a cadeira esteja travada.
Manter a cama na altura dos equipamentos. A postura corporal do cuidador que irá retirá-lo da cama deve ser de dobrar os joelhos e não dobrar a coluna e ficar o mais perto possível do idoso. Deve também estar usando  roupas confortáveis e calçados sem salto. Não faça movimentos bruscos. Segurar o idoso pelas mãos. Dê preferência para segurar também pelos ombros. A pele é muito fina, pode ferir facilmente.

- Se precisar use o  "lençol móvel ou travessa" (que é um segundo lençol dobrado ao meio, que fica sobre o primeiro e serve de apoio para acomodar o paciente e dar-lhe mais conforto. Posicione esse lençol para que fique na altura das costas até os joelhos, para facilitar na hora de pegar o paciente quando precisar fazer a transferência para algum lugar. Deve ter a ajuda de outra pessoa, cada um pega de um lado para retirar da cama.
- Para puxar o paciente mais para cima na cama - Peça ao paciente para dobrar as pernas, colocar os braços na barriga e o cuidador fica atrás da cabeça do paciente. Puxe a "travessa", abaixo dos ombros, devagar até a posição desejada.
- Para virar o paciente de lado na cama - Tenha a "travessa" embaixo do paciente, fique posicionado de pé ao lado da cama. Segure no meio da travessa com uma mão e com a outra segure o paciente para que ele se sinta seguro e vá puxando devagar a travessa de modo que o cuidador fique atrás das costas do paciente . Puxe até que ele se posicione na posição de lado.
- Para levantar o paciente e sair da cama - Coloque-o de lado, ponha as pernas para fora da cama, apoiar os ombros até que fique sentado na cama. Deixa que ele apoie em seus ombros até que firme os pés no chão e levante o corpo.
- Cuidados com pacientes que ainda usam apoio de bengala ou andador. Retire fios que possam ficam pelo chão, tapetes e objetos que possam atrapalhar. Alerte-o sempre para que foque a atenção na hora da marcha e olhe sempre para o chão. Incentive-o a movimentar pernas, braços e mãos, sempre que possível, mesmo estando sentado ou deitado.

Atenção para a comunicação não-verbal- Se for fazer alguma atividade com o paciente como por exemplo, exercícios de tossir ou inspirar fundo que são para fortalecer a musculatura do pulmão e perceber que ele pode estar sentindo desconforto, observe atentamente, pois nem sempre o paciente se manisfesta verbalmente.Tudo pode indicar alguma coisa em momentos de dor (uma careta, franzir os olhos, apertar as sobrancelhas, apertar a boca). Procure primeiro resolver a dor, depois faça a atividade.

Algumas vezes pode ser preguiça do paciente ou que ele não queira fazer os exercícios. Uma boa maneira é negociar algo em troca, oferecer uma coisa que ele goste muito se fizer direitinho. Verá que a opinião dele pode mudar em segundos.
Faça sempre atividades associadas com bom humor. Brinque e faça-o rir.
Massagear as mãos e os pés, para quem fica muito deitado é uma atividade que dá prazer. Quando sentado, ao acordar, levante seus braços como para espreguiçar, sempre com cuidado, mas que possa conseguir um alongamento leve.

TRATAMENTO NUTRICIONAL ANTIOXIDANTE NA PREVENÇÃO E DESINTOXICAÇÃO DO ORGANISMO PARA DEMENTES  

*Todos os corpos envelhecem, mas só alguns ficam senis.

Problemas típicos no envelhecimento: Cérebrovasculares (Epilepsia), Embolia, Hemorragias, Tromboses, Infartos, AVC- Acidente Vascular Cerebral.
Senilidade é a perda da função cerebral dos neurônios. Depende do que o paciente ingere e da quantidade de substâncias tóxicas que ingere.

Dez principais doenças mais devastadoras tem cura, mas Alzheimer não, que é a terceira doença mais importante no mundo moderno. Mais preocupante que o Câncer.
A prevenção é fundamental.

Estruturas Preventivas
- Inflamação Silenciosa (Processos Oxidativos)
- Inflamação Aguda (Traumas)
- Inflamação Crônica (Artrites Reumatóides)

INFLAMAÇÃO SILENCIOSA – É diferente da inflamação clássica porque a pessoa não se incomoda muito com a dor, por não ser forte, não se preocupa muito e vai até se acostumando com aquela dor que se prolonga por anos. Isso pode causar lesões no coração, no sistema imunológico e no cérebro e muitas vezes essas lesões resultam em doenças cardíacas, câncer e Alzheimer.

No exame de sangue verificar:
- Dosagem de Proteína Pró Reativa no sangue para detectar inflamação nas articulações e alteração nas coronárias.
- Dosagem de Insulina em jejum no sangue. Taxa alta de insulina compromete a memória.
- Dosagem de Homocisteína para controlar taxa de colesterol (HDL) e radicais livres. Taxa alta de hemocisteína pode causar lesões no Hipocampo.
- Dosagem de Fibrinogênio para distúrbios hemorrágicos para o sangue não coagular nos vasos sanguíneos.
- Dosagem de Triglicérides para controlar nível de gordura no sangue.

É preciso fazer todos os controles com orientação médica, pois se usar medicamento para reduzir colesterol pode aumentar taxa de líquido aracdônico no cérebro e provoca desorientação. Fome incontrolada, unhas quebradiças.

ESTRATÉGICAS TERAPÊUTICAS NA ALIMENTAÇÃO SAUDÁVEL

O excesso de ALIMENTOS REFINADOS INDUSTRIALIZADOS como óleos vegetais baratos transgênicos, açúcar refinado e farinha refinada são prejudiciais.
Óleos MONOINSATURADOS (azeite de oliva, óleo de canola e amendoim, as nozes e o abacate) reduzem o colesterol LDL (ruim).
Óleos POLIINSATURADOS (ômega 3 e 6) são bons para saúde e estão presente nos peixes e nos óleos de soja, milho e girassol.
Evite fazer comida com banha, bacon, toucinho e controle o uso de creme de leite, ovos, manteiga, chocolates e carnes vermelhas.
Ômega 3 e Ômega 6 devemos ingerir, pois nosso organismo não produz.
Dieta com EXCESSO DE CARBOIDRATOS (lanches, pitzas , pães e batatas) pode aumentar o risco de demência e Alzheimer.

Usar muitas frutas, mas não pode ser junto com frutose sintéticas de sucos, altamente agressivo para dietas. Se possível, introduzir na dieta:  castanhas, nozes, óleo de coco, azeite de oliva extra virgem, manteiga, macadâmia.

METAIS NEUROTÓXICOS : ALTAMENTE LESIVOS  E ENVENENAM O CORPO

O alumínio é encontrado em utensílios de cozinha, cosméticos, produtos de limpeza e intoxica o corpo e o cérebro.
O chumbo também é neurotóxico promove fraturas ósseas e osteoporose. Encontrado na tinta de jornais e combustíveis.
O mercúrio causa lesão no sistema nervoso central, perda de memória, agressividade e distúrbio de consciência. Encontrado no ar, na água e produções industriais. Nunca use mercúrio.

As poluições são encontradas dentro e fora de casa. São agressores ambientais, pesticidas, tabaco, materiais para construção, carpetes, azulejos, telhas amianto, pisos, cosméticos com cheiro forte, tinturas, produtos de limpeza geram agressões ao corpo.

O VALOR DOS ALIMENTOS NA DETERIORAÇÃO DAS FUNÇÕES CEREBRAIS PARA PORTADORES DE ALZHEIMER


Os valores relacionados com a nutrição tem relação direta com as doenças, na absorção de nutrientes.
Dentre elas: Hipertensão Arterial, Diabetes mal controlada, Obesidade, Anemias e Desnutrição causadas por Carência de Nutrientes e  Má Alimentação, Sedentarismo e Tabagismo.
Atividade física desde criança é bom e ajuda a eliminar as substâncias nocivas.

**Pode-se prevenir a doença de Alzheimer, diminuindo os sintomas com: 

-Alimentação balanceada e saudável
-Evitar alimentos prontos
-O sono é muito importante, pelo menos 8 horas por noite
-Evitar consumo de bebidas alcoólicas que deterioram os neurônios

ALIMENTAÇÃO ADEQUADA PARA O PACIENTE DE ALZHEIMER

Cada pessoa tem seu metabolismo e precisa consumir alimentos antioxidantes e funcionais
Para o portador de Alzheimer não tem dieta específica e nem restrição de alimentos, só não pode ter carência nutricional. A alimentação deve ser o mais natural possível, com monitoramento da família para favorecer a qualidade, não perder peso e comer na hora. Alguns portadores da doença se recusam a comer, outros esquecem que já comeu e querem repetir.
CONTROLE DIÁRIO DA ALIMENTAÇÃO NA DOENÇA DE ALZHEIMER

- A comida deve estar com a temperatura certa e como o portador demora  para comer, se esfriar ele pode não querer comer. Use pratos térmicos e pequenas porções.
- A comida deve estar atraente, com bom sabor, cheiro bom, e boa aparência.
- Estimule a mastigação  pois melhora a digestão e absorção dos nutrientes.
- Escolha alimentos certos para proteger o cérebro dos radicais livres.
- Ofereça iogurte natural que mantém a flora intestinal.
- Ofereça alimentos que contém Omega 3 ( nozes e peixes) e Omega 9 ( abacate e azeitona).
- Use azeite extra virgem, normalmente são os de frascos verde-escuro e de 0,5 ou menos de acidez, pois é melhor, são antiinflamatórios, antioxidantes e reconstrói as fibras nervosas.
- As amêndoas são ricas em gordura boa que mantém a memória e tem Selênio que é bom para o cérebro.
- Nozes são antioxidantes e ricas em Omega 3 e Selênio. Agem eliminando inflamações e são excelentes para quem tem intolerância a produtos de origem animal.
- Espinafre e outras folhas verde-escuro são excelentes fonte de Potássio e Magnésio além de serem antioxidantes e impedem as obstruções cardiovasculares.
- Linhaça contém Omega 3, proteínas e fibras que protegem o coração e o cérebro.
- Tomate previne o câncer de Próstata e tem Licopeno, que é antioxidante .Quanto mais vermelho melhor. Se consumir aquecidos a propriedade aumenta
- Chá verde é antioxidante, anticancerígeno, mas contém Cafeína que pode interferir no sono. Não tomar à noite.
- Cereais integrais e aveia são fontes de fibras solúveis e insolúveis que ajudam no sistema cardiovascular e mantém o cérebro irrigado.

- Ofereça SUCO ANTIOXIDANTE. Bata no liquidificador melancia, morango, beterraba e um pouco de água. Não precisa coar.
- Faça SUCO ANTIINFLAMATÓRIO. No liquidificador coloque uva sem caroço, pêra, hortelã e chá verde gelado.
- Ofereça SOBREMESA SEM AÇÚCAR. Bata no liquidificador, meio mamão papaia com iogurte natural gelado ou um sorvete light. Enfeite com uma colher de mel com a fava do mel.

COMO SE PREVENIR DA DOENÇA DE ALZHEIMER

A doença não é contagiosa e não é transmissível.
A chance de desenvolver é 6 vezes maior para quem é conjugue de um portador de Alzheimer, devido ao estilo de vida ser normalmente o mesmo com a mesma alimentação Agrava se forem sedentários, se tiver doença cardiovascular na família e tabagismo.
Pesquisas mostram que pessoas com 43 anos, com sobrepeso aumenta o risco quase 2 vezes.
Já para obesos na meia idade o risco triplica, mais até do que a tendência hereditária.

Alzheimer é uma doença de alto custo, cerca de 120 mil reais/ano e por ser uma doença onde o portador é muito dependente, exigem pelo menos 40 horas semanais de assistência do cuidador.

A expectativa de vida varia de 3 a 20 anos. Surge muito antes de se manifestar, por volta dos 40 anos de idade e se manifesta mais tarde. É uma doença que pode estar com a pessoa até mesmo em condições ultra uterina sem que se saiba e só se manifesta em idade adulta, quando o Hipocampo no cérebro que é nossa máquina de memória vai se diminuindo.
Começa com lesões causadas por placas Beta-Amilóides que são como lixo fora dos neurônios e forma emaranhados neuro-fibrilares que vão para dentro dos neurônios.

As INFLAMAÇÕES CRÕNICAS aumentam a chance para adquirir a doença e acontecem no cérebro, entre outras coisas, por dormir pouco, ter diabetes e stress. O nível alto de açúcar no cérebro, favorece a caramelização das proteínas, desequilibrando a insulina e podendo aumentar a chance para o Alzheimer.

STRESS OXIDATIVO propicia a Hipertensão, o Diabetes e o Alzheimer. Os radicais livres desequilibram e ficam em maior quantidade que os oxidantes favorecendo o Alzheimer. A glicação ou caramelização das proteínas causa o aumento da insulina e mata os neurônios. O exame Pet Scan mostra o nível de açúcar no cérebro e no coração. O cérebro é ricamente vascularizado e precisa de muita energia.

FATORES DE RISCO PARA O ALZHEIMER


- Os fatores não modificáveis são: idade (60 anos), Síndrome de Down e Sexo Feminino.
Os fatores modificáveis são: Hipertensão, Dislipidemia (Colesterol e Triglicérides), Diabetes, Hemocisteína alta danifica as artérias, Cardiopatia, Alcoolismo, Doenças Cérebro Vasculares, Obesidade, Alimentação inadequada, Disfunção nutricional, Solidão, Anemia, Apnéia, Depressão.

- O grande vilão para o cérebro é o açúcar, pois prejudica os vasos sanguíneos.
- Assistir muito TV aumenta a probabilidade de 30% para o Alzheimer.
- A Depressão reduz o Hipocampo e aumenta a chance para Alzheimer.
Substâncias tóxicas e tabagismo aumentam a poluição atmosférica com metais como Chumbo e Ferro.
- Nitrosaminas são substâncias cancerígenas presentes em alimentos embutidos.
- Medicamentos hipnóticos e abuso de álcool (5 latas de cerveja ou 1 garrafa de vinho por dia aumentam o risco da doença).

O QUE AFASTA O RISCO DE ALZHEIMER

- Boa alimentação, com um prato colorido de muitos vegetais e saladas.
- Dieta Mediterrânea que troca as gorduras ruins por gorduras boas e reduz em até 30% as chances de ter câncer e doenças cardiovasculares. Consiste basicamente em frutas, verduras, frutas secas, pouca carne e mais peixes, pães integrais, grãos não refinados e usar azeite oliva extra virgem.
- Açafrão ou Curcuma é um tempero antioxidantes
- Tomar 2 xícaras de chá verde ao dia, contém Flavonóides
- Tomar café com consumo regular
- Exercício físico reduz inflamações e reduz stress
- Estudar e ler aumenta reserva cognitiva e evita esquecimento.
- Ser criativo também aumenta a reserva cognitiva
- Não aposentar cedo para manter o cérebro em funcionamento

-Ter lazer, viajar, extrovertir e dar risadas, também é bom.
- Praticar meditações, equilibra o stress , evita a Glicação
CONTROLE DOS MEDICAMENTOS PARA A DOENÇA DE ALZHEIMER

A doença se manifesta pela alteração no metabolismo na proteína que atravessa os 2 lados do neurônio e se acumula como placas senis no cérebro. No Alzheimer a perda da proteína acetilcolina diminui a metabolização.

INIBIDORES – Memantina que é o mais usado atualmente na fase leve a moderada da doença, podendo usar também na fase grave da doença.

A dose vai depender do paciente. Inicia-se com a menor dose para ver a resposta do paciente, depois aumenta para ver se o paciente tolera. Os efeitos colaterais são de náuseas, vômitos, diarréia, desconforto abdominal e dor de cabeça. Esses efeitos podem ser transitórios e desaparecer com o tempo. Indica-se 2 vezes ao dia e vai bloquear a entrada maciça de cálcio no neurônio, o que causa a diminuição de memorização.
Outro efeito colateral é a Bradiarritmia que á alteração na freqüência cardíaca e também Hipotensão Pontual que é diminuição da pressão quando o paciente está de pé.

Quando parar a medicação?
O cuidador e o médico é que irão decidir. Eis algumas das razões:
- quando o paciente já não quer mais usar o medicamento
- quando começa a pular os horários para não tomar o medicamento
- quando já não se tem a resposta esperada
- quando se tem co-morbidade (outra doença que pode piorar com o uso desse medicamento)
- quando a demência está muito avançada

Observar o comportamento do paciente.
- Especificar e descrever o comportamento para ter a mesma linguagem entre todos os profissionais que trabalham com o paciente.
- O que acontece na atividade ou no ambiente que desencadeia esse comportamento?

O que fazer na hora da crise
- prevenir o processo para não acontecer a crise
- Se acontecer, evitar o confronto com o paciente ou um familiar (não retruque)
- Evitar agressão física (tirar todos do local e tentar tranqüilizar o paciente)

Os anti-psicóticos funcionam? (são para delírios e alucinações)
- saber as razões que podem iniciar o surto
- ver se falta alguma alternativa no cuidado
- ver se tem pressão familiar , de algum cuidador ou profissional
- quais as razões para continuar o uso desse medicamento
- ver se piora o quadro do paciente ao interromper o tratamento
Ainda não se sabe ao certo a resposta. Em pesquisas com pacientes de Instituição de Longa Permanência os resultados foram variados. Alguns começaram e concluíram  o tratamento, outros começaram e pararam e outros desistiram. Não se tem dados conclusivos  sobre a eficiência dos anti-psicóticos

A sabedoria popular pode curar?
A Aromaterapia usa odores no ambiente. Acredita-se na valência hedônica que pode não ter efeito, mas é prazerosa e tranqüiliza o paciente. de maneira saudável.
O óleo de lavanda no difusor reduz a agitação. A melissa também proporciona o mesmo efeito.
A luz brilhante de um dia claro reduz a agitação e a perambulação.
A Musicoterapia com músicas da preferência do paciente também acalma. Já a música ao vivo reduz em muito a apatia. Quando a música é gravada a redução da apatia é menor.
O silêncio vai depender do paciente. Alguns gostam e outros são indiferentes.
Se a música interferir no estado emocional do paciente poderá ter gritos e até gemidos, já para outros podem até querer cantar. O consenso foi que música alta não agradou a nenhum aos pacientes.

CONCLUSÃO: No Alzheimer nem sempre o que ajuda são os medicamentos. Em muitos casos os tratamentos alternativos podem ajudar muito. Tudo irá depender do histórico de vida e das preferências do paciente
COMO CUIDAR DAS FINANÇAS COM TODOS OS GASTOS QUE A DOENÇA DE ALZHEIMER PROPICIA
Ter doença em família já onera muito o orçamento, principalmente como a doença de Alzheimer que necessita muitos profissionais, muitas mudanças que vão desde a estrutura da casa até hábitos de toda família. Essas mudanças bruscas podem causar incertezas, medos e preocupações.
Não implica em apenas ter reserva de dinheiro, mas ter comprometimento de toda família para ajudar nos gastos e nas economias e mais, aumentar a reserva de amor e cuidado.
“O ser humano se afasta de tudo que é doloroso”. (FREUD- Sec. XIX)
Normalmente as pessoas não querem fazer reservas para emergências ou para infortúnios. O inconsciente é movido para a realização do prazer e induz as pessoas a juntar dinheiro para compras, viagens e tudo que for positivo. Isso realmente é bom, mas se surgir uma emergência usa essa reserva guardada e adia o prazer sem tirar do foco a realização de seu sonho. E quando se utiliza a reserva para manter a saúde de alguém querido e ver que a pessoas está sendo bem cuidada, isso também traz satisfação.

-Se tiver aposentadoria, mesmo que seja pouco use-a.
-Despesas mensais devem estar no planejamento, pois não tem como evitar. Manter o controle de toda família para esses gastos e evitar supérfluos.
-Despesas diárias são algumas vezes imprevisíveis e com valores variados. Deixar reserva para esses gastos.

A crise chegou, como resolver?

-Reavaliar as prioridades e na medida do possível não retirar a diversão da família, principalmente se na família ainda tiver crianças e adolescentes, que já irão sofrer com o impacto de ter alguém em casa com uma doença tão séria e que a cada dia perde um pouco mais de tudo que participavam juntos.
-Aumentar a eficiência dos ativos financeiros (liquidez). A Poupança não vai render o suficiente para ajudar nos gastos
-Fazer substituições e enxugamentos. Se for preciso, baixar o padrão de vida. Deixe o orgulho de lado e viva com mais leveza. Existe também felicidade na simplicidade.
-Não é preciso fazer compras de supermercado com grandes estoques. O estoque propicia o aumento da inflação. Compre o suficiente para o mês e invista um pouco mais nas compras de necessidades do doente, que são algumas coisas que não faziam parte da lista normal da família e que não poderá faltar no que foi indicado pelos profissionais para o cuidado com o portador.
-Reúna a família e divida os gastos. Uns poderão ajudar com participação e outros com contribuição financeira nos gastos.
-Pratique o desapego. Se  tem alguma coisa que pode vender ou trocar, faça isso. Essa é uma maneira de fazer dinheiro.
-Reutilize novos espaços na casa e nos armários. Algumas mudanças na casa será preciso para o tratamento do portador. Doe ou jogue fora o que não é mais usado.
-Faça trocas efetivas com seus amigos. Não se afaste deles. Mantenha contatos saudáveis.
-Use redes de apoio como (ONG’s) Organizações não Governamentais, locais de Amparo, Igrejas e Sociedades para ajuda. Em Universidades também encontra-se  ajuda com profissionais treinados e supervisores que podem orientar gratuitamente.
-Reinvente a profissão ou mude de ramo. Algumas vezes uma atividade extra ou um trabalho para alguém da família que ainda não trabalha pode ajudar com os gastos.
-Trabalhe as carências de toda ordem que possa ter na família. Nem sempre o consumismo supera as carências, muitas vezes só aumenta as dívidas.
-Encontrem novos caminhos, nova maneira de ver a vida e aprender a superar os obstáculos, sem depressões.

A crise pode trazer novas oportunidades, sair do conformismo, descobrir novos sentimentos, fazer aproximações e reconciliações entre os membros da família, ter mais união e crescimento espiritual.

As doenças muitas vezes podem ser evitadas. Cuidar da saúde é sua  melhor reserva financeira. Alimente-se de maneira saudável, durma pelo menos de 6 a 8 horas por noite. Dinheiro ajuda a superar os obstáculos, mas nem sempre traz felicidade.
Planeje sua vida para ter uma velhice mais tranqüila. Evite gastos impensados e acúmulo de coisas sem utilidade.

ASPECTOS JURÍDICOS DOS DIREITOS DE DEFESA DOS DOENTES COM DEMÊNCIA

Carta de princípios da Associação Alzheimer Internacional, elabora em setembro de 1999.
http://www.cuidardeidosos.com.br/garantias-legais-aos-portadores-da-doenca-de-alzheimer/

Aspectos gerais: (informações completas no site acima)
1- Portador de doença neurológica incapacitante e incurável avaliado por profissional.
2- Pessoa demente tem direito à dignidade.
3- Pessoa demente tem direito a seguro de proteção em favor de sua pessoa e propriedade.
4- Direito a informação sobre a doença, tratamento e acompanhamento.
5- Direito a participar de decisões onde esteja incluído.
6- Direito a ter suas necessidades avaliadas e providas. Procurador para avaliar os recursos.

- Isenção do Imposto de Renda da pessoa física
- Os proventos de aposentadoria são isentos. Deve ser pedido para não descontar o imposto de renda nos holerites
- Se não for atendido, a Justiça pode conseguir êxito no pedido de Ação Judicial na Defensoria Pública ou com advogado para ingressar com a ação e alegar Alienação Mental (70713/88)
- Isenção para rendimentos relacionados à aposentadoria, pensão e reforma no local para acomodar o doente. A Isenção é concedida logo que for pedida. Aos 65 anos é dado o Direito a Prioridade.
- Benefício a Assistência Social é concedida com contribuição mínima. Preencher requisitos legais, ir  na Agência de Previdência Social para apreciação dos documentos. Se for negado, procurar Defensoria Pública.
- Licença para Tratamento de Saúde e Auxílio a Doença devem ser solicitados com requerimento na Agência do INSS com Laudo Pericial.
- Aposentadoria por Invalidez, independente das contribuições. Tem que comprovar incapacidade para trabalho com Laudo Médico Pericial.
Se estiver no início da doença é preciso esperar agravar o quadro, acreditem, para conseguir o benefício.
- Benefício para o Cuidador Familiar é um acréscimo de 25% a partir da solicitação, podendo superar o teto da contribuição.
- Fundo de Garantia por tempo de serviço (8213/91 - 7770/79). O cuidador familiar pode sacar o que estiver depositado e poderá sacar também se o seu dependente tiver a doença.
-Veículos especiais para uso do doente pode ter Isenção de IPI, obter junto ao DETRAN com Laudo de Perícia Médica justificando a incapacidade para conduzir veículo. A carteira Nacional de Habilitação deverá ter características especiais de acordo com CONTRAN.
- Financiamento de Casa Própria é possível quitar de acordo com o que contribuiu e conforme o contrato com o banco.
- Seguro de Vida ou Seguro Invalidez permanente, total ou parcial tem que ter Laudo Médico, acionar o seguro para ter o direito.
- Autorização para conseguir medicamentos é feita através do TSJ que autoriza mediante Laudos Médicos e pode autorizar também tratamentos HOME CARE quando necessário, para portadores de casos mais difíceis.
- Interdição Civil pode nomear curador, filho ou conjugue para administrar os bens do doente, comprovando a incapacidade do paciente quando já estiver com grau avançado da doença.
O Laudo deverá atestar que o portador não possui capacidade para administrar sua vida civil.
O curador será o autor da ação. O Juiz vai emitir termo de CUTELA com encargo de cuidar e prover a vida do portador.

INSTITUIÇÃO PARA INTERNAÇÃO

A família tem dever de assegurar os direitos de cidadania do portador. Internar só em caso de última alternativa, só se não tiver jeito mesmo ou não ter condições financeiras de cuidar. O mais importante é ver a capacidade de inserir o idoso no lar junto a seus familiares.

Casos onde o portador tiver familiares com problemas de drogas ou bebidas alcoólicas então pode ser melhor internar o doente, pois o ambiente poderá até piorar os sintomas.

CREAS - Organização de Execução de Política Pública de Triagem Social vai verificar todo contexto do idoso para emitir laudo e solicitar vaga em Instituição de Longa Permanência..
Se a família tiver condições financeiras procurar Clínica de Geriatria particular que celebra contrato para que profissionais possam cuidar do idoso na entidade, mas se possível evitar internação.
Política Pública de Assistência Social o que não falta são leis e normativas, porém nem sempre os idosos são respeitados em seus direitos.

A alta demanda de processos é lenta para fornecer medicamentos, vagas, leitos nos hospitais com prioridades, filas para agendamento de consultas. O sistema de política pública precisa ser muito melhorado. Em alguns municípios, isso está longe de ser atingido para conseguir esses atendimentos, ter qualidade e atendimento com dignidade como o idoso doente merece.

ABRAZ – ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DOS PORTADORES DE ALZHEIMER 

Formada por voluntários para ajudar e orientar a família do doente quando recebe o diagnóstico, para que possam adaptar espaços e programar o tratamento.

A Associação existe a 20 anos e é sustentada por usuários. Os recursos são usados em cursos, pesquisas e oficinas. Faz também atendimentos domiciliares com toda equipe interdisciplinar e multidisciplinar. Está sendo visto a possibilidade de ter PLANO ESPECIAL PARA DEMÊNCIA.

Os exames médicos precisam ser renovados a cada 3 meses, enquanto o paciente estiver dando resposta aos medicamentos.
Também a dentadura tem que ser trocada a cada 5 anos ou caso seja solicitada por um dentista.

Precisamos conhecer os direitos do cuidador e dos tratamentos do paciente de Alzheimer.

Isso é um exercício de cidadania. Até 2010 no Brasil tínhamos 1.100.000 pessoas com Alzheimer e a probabilidade é que em 2050 tenhamos 6.600.000 doentes.
A equipe inter e multidisciplinar esbarra com as políticas sociais nas esferas federais, estaduais, municipais e SUS, onde o estigma e a exclusão são os maiores atos de violência.
REFERÊNCIAS 
* Alexandre Franco Miranda - Odontogeriatra
* Paulo Brito - Neurologista
* Luciene Correa de Miranda Moreira- Psicóloga Clínica
* Ana Katharina Leite - Terapeuta Ocupacional
* Ana Helosa Arnaut - Cuidadora Familiar
* Denise Tibério - Odontogeriatra
* Claudio Stucchi  - Advogado
* Raquel Ribeiro - Psicóloga
* Viviane Fontes - Fonoaudióloga 
* Isabel Peres - Fonoaudióloga
* João Paulo de Castro Ribeiro - Personal Trainer
* Cristina Ribeiro - Fisioterapeuta
* Wilson Rondó - Nutrólogo
* Viviane Abreu - Psicóloga
* Rodolfo Berg - Psicólogo
* Otília Souza - Psicóloga
* Karen Saviotti - Psicóloga
* Maria Leitão Bessa - Presidente da ABRAZ
* Selma Castro Lima - Médica Voluntária na ABRAZ
* Denise Rodrigues  Yuaso - Fisioterapeuta
* Paulo Bertolucci - Neurologista
* Joana Kamil - Nutricionista
* Leandro Minozzo - Nutrólogo
* Fernando Aguzzoli - Cuidador Familiar
Leia mais sobre a doença:

Vídeo prático sobre a Evolução do Alzheimer

Pesquisa traz esperança para futuro
http://luizagosuen.blogspot.com.br/2015/02/pesquisa-recente-traz-esperanca-para.html

Alzheimer independe de envelhecimento:
http://luizagosuen.blogspot.com.br/2015/03/alzheimer-independe-de-envelhecimento.html

3 comentários:

  1. Prezados anjos da guarda, são como eu os gostaria de chama-los, poi com esta orientação farta e bem ilustrativa, vocês estão dirimindo muitas dúvidas e permitindo que se faça reflexões de como lidar com aqueles que nos deram muito carinho. Irei repassar com muito prazer.

    ResponderExcluir
  2. Prezados anjos da guarda, são como eu os gostaria de chama-los, poi com esta orientação farta e bem ilustrativa, vocês estão dirimindo muitas dúvidas e permitindo que se faça reflexões de como lidar com aqueles que nos deram muito carinho. Irei repassar com muito prazer.

    ResponderExcluir
  3. Já tinha lido alguns trabalhos sobre essa triste doença. Mas nunca um tão completo como esse da LUIZA GOSUEN.
    Deveria ser publicado como livro.
    Sobre o cuidador, fiquei impressionada com os ensinamentos , com a clareza e a profundeza que o assunto merece.
    Só tenho a agradecer e parabenizar !

    ResponderExcluir